Presidente defende mulher no Planalto em 2010

Em encontro com primeiras-damas, Lula diz que elas têm mais sensibilidade e são mais ousadas

Leonencio Nossa, BRASÍLIA, O Estadao de S.Paulo

11 de fevereiro de 2009 | 00h00

Menos de três horas depois de negar que tenha reunido os prefeitos para promover o nome da ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva defendeu a candidatura de uma mulher ao Palácio do Planalto em 2010. Num encontro com primeiras-damas de municípios, menos exaltado que na reunião com os prefeitos, ele disse que as mulheres têm mais sensibilidade e são mais ousadas que os homens. "Sabemos que não é fácil a mulher entrar na política", disse. "Graças a Deus a gente tem o exemplo da Michele Bachelet no Chile e da Cristina Kirchner na Argentina. Mas a gente vai evoluindo." Conheça as medidas do ?pacote de bondades? Galeria de fotos: Encontro de Lula com os prefeitos Governo federal acerta ao renegociar dívidas? Lula deixou as primeiras-damas esperando por uma hora. Foi o suficiente para ele acompanhar boa parte do primeiro tempo do amistoso das seleções do Brasil e da Itália por um televisor instalado numa sala privativa do Centro de Convenções Ulysses Guimarães. Enquanto Lula não chegava, a ministra Dilma Rousseff tentou acalmar a plateia ansiosa. "Eu sei que não é uma substituição perfeita", disse, ao abrir o discurso, considerado enfadonho pelas primeiras-damas.Em clima de tietagem, Lula foi recepcionado com gritos e flashes das câmeras das primeiras-damas. Ele explicou que demorou a aparecer porque havia suado muito a camisa no encontro com os prefeitos e depois não tinha outra camisa no carro para vestir. "Só tinha camisa no Planalto, e eu tive de esperar", contou.Ao lado de Dilma e da primeira-dama Marisa Letícia, Lula disse que as mulheres devem ocupar maior espaço na política. "Antes, diziam que atrás de um grande homem tem sempre uma grande mulher. Hoje, elas estão à frente, porque são corajosas, ousadas e destemidas", afirmou.Ao fim do encontro, a plateia gritou o nome de Marisa, pedindo para ela discursar. A primeira-dama já se retirava quando Lula a segurou pelo braço e pediu para ela falar. O primeiro discurso de Marisa em seis anos de governo não durou 15 segundos: "Eu só quero agradecer a presença de vocês aqui. Espero que todas possam aceitar outros convites para participar de grandes reuniões como essa. Muito obrigado".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.