Presidente da UDR pede proteção policial

O presidente da União Democrática Ruralista (UDR), Luiz Antonio Nabhan Garcia, procurou hoje às Polícias Civil e Federal de Presidente Prudente para denunciar que foi alertado por telefone que um grupo ligado a sem-terra pretendia esconder armas em sua fazenda e denunciar à Polícia Federal. O autor da ligação, que se identificou como o "coordenador" de um movimento de sem-terra avisou que também estava sendo preparada uma tocaia contra Garcia. Ele seria emboscado no trajeto do seu sítio.O mesmo artifício seria usado para comprometer também o vice-presidente da UDR, Guilherme Coimbra Prata. Ambos possuem fazendas de criação de gado na região de Sandovalina. Garcia foi alertado sobre o esquema através de um telefonema anônimo dirigido à sua residência. Segundo ele, não foi possível identificar o telefone que fez a chamada. O presidente da UDR registrou a ocorrência na Delegacia Seccional de Presidente Prudente. Em seguida reuniu-se com o delegado chefe da PF, Jerry Antunes de Oliveira, e pediu proteção. O delegado lembrou que a PF não pode dar segurança a particular, mas garantiu que as ações visando coibir o porte ou o transporte de armas de uso não legal na região foram intensificadas. Os órgãos policiais receberam denúncias sobre o uso de armas proibidas tanto por fazendeiros quanto por sem-terra. A investigação inclui buscas e vistorias em fazendas e áreas de assentamentos. De acordo com Oliveira, uma eventual ação de milícias armadas em qualquer dos lados será coibida com rigor. A PF está usando um helicóptero para monitorar vias de acesso e áreas de risco.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.