Presidente da Philips é declarado persona non grata no Piauí

Na semana passada, Paulo Zottolo disse que 'se o Piauí deixasse de existir, ninguém ficaria chateado'

Luciano Coelho, do Estadão

20 de agosto de 2007 | 16h33

A Assembléia Legislativa do Piauí aprovou  nesta segunda-feira, 20, uma moção de repúdio contra o presidente da Philips do Brasil, Paulo Zottolo. Ele é considerado persona non grata no Piauí. Na semana passada,Zottolo disse "que se o Piauí deixasse de existir, ninguém ficaria chateado por isso".   O desembargador Luiz Gonzaga Brandão de Carvalho também aprovou uma moção de repúdio na sessão do Tribunal de Justiça contra Zottolo por ele ter execrado o Estado do Piauí.   Para os deputados, houve um desrespeito não só ao Piauí, mas ao País. Eles repudiaram a vinda do executivo da Philips ao Piauí."Espero que ele não venha aqui, nem para pedir perdão", frisou Leal Júnior. "Devíamos apresentar uma ação judicial pedindo uma robusta indenização", complementou.O deputado Leal Júnior (DEM) ainda quer que haja uma indenização, além do perdão pedido por Zottolo.   Zottolo pediu desculpas após as reações indignadas do governador do Estado, Wellington Dias (PT-PI) e de outros políticos da região. Dias aceitou o pedido desde que o executivo se retratasse publicamente, o que foi feito na sexta-feira. As desculpas foram divulgadas em vários órgãos de imprensa em Teresina (capital):   "Venho publicamente esclarecer que jamais tive a intenção de desqualificar o Estado ou seus cidadãos". O episódio para Wellington Dias terminou aí, disse um assessor do governador.   Manifestação    Na última sexta-feira, estudantes organizaram uma manifestação contra os produtos da Phillips no Piauí. Eles quebraram vários aparelhos da marca em praça pública e pediram um boicote a Phillips.   Zottolo explicou ainda que colocou mal a frase: "A analogia foi a de que o desconhecimento que às vezes se tem sobre o Estado faz com que não se saiba avaliar a sua relevância no cenário nacional, suas belezas naturais e riquezas culturais que eu, pessoalmente, conheço e admiro. Reconheço que a frase foi por mim mal colocada e, publicamente, peço desculpas à população do Estado, seus governantes e a qualquer pessoa que tenha se sentido ofendida".   O ato de repudio à Phillips aconteceu no centro de Teresina e estudantes quebraram com pedaços de pau televisores, aparelhos de DVD e micro-sistems da marca, enquanto cantavam o hino do Piauí e mostravam a bandeira do Estado.    Para eles, Zottolo deveria conhecer o Estado e suas belezas naturais, seu povo e não dar declarações estapafúrdias sobre o Piauí. A bandeira da União da Juventude Socialista (UJS), facção jovem do PCdoB, tremulava ao lado da bandeira do Piauí.

Tudo o que sabemos sobre:
PhilipsCanseiWellington Dias

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.