Presidente da OAB-SP apoia convocação da Constituinte

Opinião da seccional paulista é contrária à defendida pela OAB nacional

Fausto Macedo, O Estado de S. Paulo

24 Junho 2013 | 23h49

O presidente da seccional de São Paulo da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB SP), Marcos da Costa, foi receptivo à proposta da presidente Dilma Rousseff - apresentada nesta segunda-feira, 24, durante encontro com governadores, prefeitos de capitais brasileiras e ativistas – para a realização de um plebiscito que autorize a realização de uma constituinte exclusiva para tratar de uma ampla e profunda reforma política no país. A opinião de Costa contraria a do presidente nacional da entidade, Marcus Vinicius Furtado Coelho, que se posicionou contra.

“É necessário detalhar a proposta e esclarecer à população, principalmente como será promovida a eleição dos representantes do povo na composição dessa constituinte exclusiva para promover uma reforma política no Brasil, que todos anseiam”, disse Costa.

Corrupção. Sobre a proposta de criação de uma nova legislação que classifique o crime de corrupção como hediondo, o presidente da OAB-SP disse que o combate à corrupção é bandeira histórica da Ordem, que em inúmeras oportunidades e campanhas ampliou a insatisfação popular contra a malversação de  recursos públicos.

“Especificamente sobre esse enquadramento do delito da corrupção como crime hediondo é necessário conhecer melhor a proposta porque os tipos penais envolvendo a corrupção, ativa e passiva, constituem algumas das modalidades de crimes praticados por particulares ou servidores, como peculato, concussão, emprego irregular de verbas ou rendas públicas", disse.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.