Presidente da OAB-DF defende cassação de Jaqueline Roriz

Francisco Caputo se encontrou nesta manhã com o presidente da Câmara Marco Maia; deputada foi flgrada em vídeo recebendo dinheiro de delator do mensalão do DEM

Denise Madueño, da Agência Estado, e Eduardo Bresciani, do estadão.com.br

10 de março de 2011 | 13h25

O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil no Distrito Federal (OAB-DF), Francisco Caputo, defendeu a cassação da deputada Jaqueline Roriz (PMN-DF), flagrada em vídeo recebendo um maço de dinheiro do delator do esquema do "mensalão do DEM", Durval Barbosa, ex-secretário de Relações Institucionais do DF. Caputo se encontrou com o presidente da Câmara, Marco Maia (PT-RS), na manhã desta quinta-feira."Não tem explicação que ela dê que iniba a conclusão de que foi ou fruto de compra de apoio político ou ilícito de campanha e ambos merecem cassação", afirmou Caputo. O vídeo foi divulgado em primeira mão pelo estadão.com.br.

 

Veja também:

linkJaqueline Roriz é excluída de comissão da Reforma Política

linkManobra do Conselho de Ética da época do mensalão do PT ajuda deputada

linkPSOL quer a cassação de Jaqueline Roriz

video Arruda recebe R$ 50 mil de Durval Barbosa

video Presidente da Câmara guarda dinheiro na meia

video Deputados oram, 'sabemos que somos falhos'

video Deputada com propina: 'Governador perdeu as estribeiras?'

 

O presidente da OAB-DF afirmou que a Câmara tem instrumentos legais para a abertura de processo contra a deputada e que o entendimento do Conselho de Ética de julgar apenas fatos ocorridos após a posse do parlamentar não se aplica a Jaqueline Roriz."É diferente da questão dos mensaleiros, que quando se submeteram às urnas já se sabia das acusações. No caso da Jaqueline, se a população conhecesse (as denúncias) talvez ela não tivesse recebido os votos que recebeu", argumentou.

 

Maia e Caputo querem o fim do benefício da delação premiada de Durval. Eles questionam a divulgação dos vídeos a conta gotas. "Temos de cogitar que seja cassada a condição de Durval de delação premiada, já que a divulgação dos vídeos acontece de forma aleatória. A delação premiada pressupõe que todas as informações venham à tona", disse Maia.

 

Caputo irá procurar o Ministério Público para tratar do assunto. "Não é razoável que um delator use as informações de acordo com as suas conveniências pessoais. Nós queremos a ampla divulgação", afirmou o presidente da OAB. Caputo estima que existam 200 vídeos relativos ao escândalo do "mensalão do DEM". O de Jaqueline Roriz foi o de número 31. "Tem mais vídeos envolvendo outras autoridades. Eventualmente as pessoas estão ocupando outros cargos e queremos saber quem são os personagens", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.