Presidente da OAB critica Jobim por negar revogação da Anistia

O presidente nacional da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Cezar Britto, criticou nesta quarta-feira, 30, o ministro da Defesa, Nelson Jobim, e os comandantes militares por serem contra a criação da Comissão da Verdade, dentro do Plano Nacional de Direitos Humanos, que deve investigar a tortura e os arquivos do período da ditadura militar (1964-1985).

Agência Estado,

30 de dezembro de 2009 | 19h56

 

Veja Também

linkProjeto que revoga Lei de Anistia fez Jobim ameaçar se demitir

linkParlamentares são contra revisão da Lei da Anistia

link'Não há nenhuma controvérsia insanável', diz Tarso

"Um País que se acovarda diante de sua própria história não pode ser levado a sério: o direito à verdade e à memória garantido pela Constituição não pode ser revogado por pressões ocultas ou daqueles que estão comprometidos com o passado que não se quer ver revelado", afirmou Britto, em nota divulgada pela assessoria da OAB.

A OAB defende no Supremo Tribunal Federal (STF) e no Superior Tribunal Militar (STM) ações reivindicando a abertura dos arquivos da ditadura e a punição aos torturadores. "O Brasil não pode se acovardar e querer esconder a verdade; anistia não é amnésia. É preciso conhecer a história para corrigir erros e ressaltar acertos: o povo que não conhece seu passado, a sua história, certamente pode voltar a viver tempos tenebrosos e de triste memória como tempos idos e não muito distantes".

Tudo o que sabemos sobre:
anistiaOABNelson JobimCezar Britto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.