Presidente da Mendes Jr. diz que foi extorquido

O empresário Sérgio Mendes, presidente da Mendes Jr, afirmou à Polícia Federal que foi extorquido pelo ex-diretor de Abastecimento da Petrobras, Paulo Roberto Costa, e pelo doleiro Alberto Youssef, alvos da Operação Lava Jato. Mendes disse que pagou R$ 8 milhões em quatro parcelas, entre janeiro e setembro de 2011, para que não houvesse rompimento do contrato de uma importante obra da Petrobras, a Refinaria Presidente Getúlio Vargas (Repar), no Paraná.

RICARDO BRANDT E FAUSTO MACEDO, Estadão Conteúdo

18 de novembro de 2014 | 20h49

O empresário disse que "foi pressionado a fazer os pagamentos, sob pena de ter rompidos o atual contrato e futuros". Sérgio Mendes foi preso em regime preventivo sexta feira, 14, pela Operação Juízo Final, sétima fase da Lava Jato. Ele declarou à PF, em Curitiba - base da Lava Jato - que o doleiro "agia em nome do ex-diretor de Abastecimento da Petrobras, Paulo Roberto Costa". O criminalista Marcelo Leonardo, que defende Sérgio Mendes, informou que vai tentar derrubar o decreto de prisão por meio de habeas corpus no Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF4).

Tudo o que sabemos sobre:
Lava JatoPetrobrasMendes Jrextorsão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.