Presidente da Força critica Mantega na negociação do mínimo

O presidente da Força Sindical, Paulo Pereira da Silva, afirmou nesta quarta-feira que o ministro da Fazenda, Guido Mantega, "saiu mal na foto" na negociação do acordo que reajustou para R$ 380 o salário mínimo em 2007 e estabeleceu a política de aumento até 2023. "Ele puxou o tempo todo para trás. Ficou grudado e não deixava subir. E tentou fazer uma negociação paralela no Congresso que nos deixava incomodados", disse Paulo Pereira da Silva, após a cerimônia de assinatura do acordo, no Palácio do Planalto. Na sua vez de discursar, Pereira da Silva não perdeu a oportunidade de ironizar o ministro da Fazenda. Ele disse que queria cumprimentar especialmente Guido Mantega, que defendia um reajuste menor para o salário mínimo, para depois elogiar o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que concordou com um aumento maior. "Não foi só o Guido que dizia que o salário mínimo tinha que ser menor", desabafou. Segundo o presidente da Força Sindical, a política de valorização do mínimo permite o crescimento da economia e faz com que não se espere, como no passado, o bolo crescer para depois distribuir. Pereira da Silva elogiou a implantação da política de valorização do mínimo e disse que já está organizando uma nova marcha a Brasília em março em defesa do crescimento e da distribuição de renda. O ministro da Fazenda também foi alvo de brincadeira por parte do ministro do Trabalho, Luiz Marinho. Quando apresentava um gráfico que mostrava o ganho real do salário mínimo, Marinho destacou a importância da estabilidade da inflação para essa evolução e brincou "certo Guido?".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.