Presidente da Eletrobrás chama Lula de "oportunista"

O presidente da Eletrobrás, Cláudio Ávila, disse hoje que o presidente de honra do PT, Luiz Inácio Lula da Silva, foi "oportunista" ao propor a paralisação do processo de privatização do setor elétrico num momento de crise como este. "Isso é tirar proveito político de uma situação em que todos estão tentando resolver os problemas da falta de energia" afirmou. Além de propor a paralisação do processo, Lula defendeu a reestatização do setor."Não tem sentido propor uma coisa dessas", disse Ávila. "É oportunismo dizer que vai reestatizar o que ainda não foi privatizado", afirmou o presidente da Eletrobrás, referindo-se a Furnas Centrais Elétricas.Segundo Ávila, o programa de privatização não está no foco das discussões porque o governo está concentrado no esforço para aumentar a oferta de energia e recuperar os níveis dos reservatórios que abastecem as hidrelétricas com as medidas de racionamento. "A decisão de dar continuidade ou não ao processo de privatização é circunstancial".De acordo com Ávila, o governo não alterou o modelo pensado para o setor, que prevê a privatização; apenas o cronograma foi modificado em função da crise energética.Ávila disse que o setor deu demonstrações de que o governo não tem condição de realizar todos os investimentos necessários. "A parceria entre os setores público e privado é salutar", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.