Presidente da CUT recua mas não descarta manifestação contra STF

Após dizer que Central poderia mobilizar trabalhadores, Vagner Freitas disse que Supremo fará 'julgamento técnico'

Fernando Gallo, de O Estado de S. Paulo,

09 de julho de 2012 | 22h30

SÃO PAULO - Embora tenha evitado dizer textualmente que descartava a ideia de uma manifestação nas ruas, o novo presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Vagner Freitas, recuou nesta segunda-feira, 9, das declarações de que a central sindical pode mobilizar trabalhadores caso o Supremo Tribuna Federal (STF) faça um julgamento político do processo do mensalão. Ele repetiu diversas vezes que o Supremo fará um julgamento técnico, em cima dos autos.

 

Veja também:

linkMarco Maia defende 'desarmamento' do julgamento do mensalão

 

"Acreditamos nas instituições que nós mesmo criamos. Não temos dúvida nenhuma de que teremos um julgamento técnico, no campo jurídico. O Supremo, como órgão competente que é, tem toda a confiança da população brasileira para fazer um julgamento no campo técnico, daquilo que está escrito nos autos. Era isso o que eu gostaria de ter dito hoje" disse, referindo-se à entrevista que deu ao jornal Folha de S.Paulo. "Esse era o recado que queríamos dar em nome da CUT".

Nos bastidores do Congresso da CUT, realizado nesta segunda-feira em São Paulo, a direção da central foi advertida da inconveniência das declarações de Freitas por petistas como o presidente da Câmara, Marco Maia, que pregou um "desarmamento" do debate.

Freitas afirmou ter "informações" de sua assessoria de que os autos do processo não indicam a existência dos crimes pelos quais os réus do mensalão foram denunciados. "A informação que temos da nossa assessoria que faz a averiguação jurídica em relação aos autos é que nos autos você não tem a configuração do crime que quer se estabelecer", sustentou.

Questionado sobre o autor da avaliação, ele negou que tenha sido feita pela assessoria jurídica da CUT, e desconversou. "São avaliações que temos tido. Obviamente não nos debruçamos em relação a isso porque temos tidos outras preocupações".

Ele indicou que sua fala sobre a mobilização nas ruas é uma espécie de antídoto para que o julgamento não seja politizado. "Um pouco da nossa tentativa de fazer a intervenção é de que a gente não transforme isso numa queda de braço política entre defensores de tese A, B ou C. Por isso que acreditamos que o Supremo, do alto da sua responsabilidade, num Brasil que caminha numa normalidade democrática, vai fazer o julgamento em cima dos autos".

Freitas afirmou que a "grande preocupação" da CUT é que não exista um pré-julgamento do caso e afirmou que a central não se omitirá de opinar sobre o mensalão. "A CUT é uma central sindical importante e nunca vai se omitir diante de fatos importantes do Brasil". 

Tudo o que sabemos sobre:
MensalaoCUTVagner Freitas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.