Presidente da CPI pede proteção para o caseiro Francenildo

O presidente da CPI dos Bingos, senador Efraim Moraes (PFL-PB), encaminhou ao diretor-geral da Polícia Federal, delegado Paulo Lacerda, ofício em que pede providências "no sentido de prover a proteção da integridade física de Francenildo dos Santos Costa", conhecido como Nildo, que depôs nesta quinta-feira na CPI. Também foi pedida proteção para os familiares que o caseiro indicar. No breve depoimento que deu à CPI dos Bingos, Nildo disse que reafirmou que o ministro da Fazenda, Antonio Palocci, era freqüentador da casa no Lago Sul, em Brasília, onde se reuniam os integrantes da chamada república de Ribeirão Preto. "Confirmo até morrer", disse o caseiro em resposta à pergunta da senadora Heloísa Helena (PSOL-AL). O depoimento do caseiro foi suspenso após o ministro do Supremo Tribunal Federal, Cezar Peluso ter concedido liminar requerida pelo senador Tião Viana (PT/AC), no mandado de segurança impetrado na manhã desta quinta-feira. O senador Tião Viana ingressou no Supremo contra a Comissão Parlamentar de Inquérito dos Bingos, que estaria exorbitando de seus poderes ao investigar outros fatos, sem nenhuma prova prévia de conexão com o fato determinado que lhe justificou a instauração.O caseiro afirma que o ministro da Fazenda, Antonio Palocci freqüentava a casa no Lago Sul, área nobre de Brasília, onde, segundo ele, havia distribuição de dinheiro, como foi divulgado em reportagem publicada pelo O Estado de S. Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.