Presidente da CPI dos Correios critica absolvição de deputados

O presidente da CPI dos Correios, senador Delcídio Amaral (PT-MS), criticou a decisão da Câmara de absolver os deputados Roberto Brant (PFL-MG) e Professor Luizinho (PT-SP). Um acordo entre parlamentares do governo e de oposição livrou da cassação os dois deputados, na última quarta-feira. "Precisamos ouvir a voz rouca das ruas. E nessa batida que estamos indo vai ficar cada vez mais difícil andarmos nas ruas. A opinião pública vai reagir fortemente", afirmou Delcídio Amaral. O senador lembrou que as denúncias de recebimento de recursos ilegais para campanhas eleitorais pelos 19 parlamentares foram analisadas pela CPI dos Correios, pela extinta CPI do Mensalão, pela Corregedoria da Câmara e pelo Conselho de Ética da Câmara. Nas quatro instâncias, todos eles foram considerados culpados. "As coisas estão chegando a um surrealismo que daqui a pouco o Conselho de Ética vai ter de pedir desculpas por ter pedido a cassação dos envolvidos com o mensalão", argumentou o presidente da CPI.Cauteloso, Delcídio Amaral afirmou que não queria fazer "nenhum juízo de valor" sobre a existência de um acordo entre governo e oposição para salvar Brant e Luizinho da cassação. Brant e Luizinho foram citados no relatório parcial aprovado pela CPI dos Correios, em agosto do ano passado, que apontou o envolvimento de 19 deputados que receberam dinheiro de caixa 2 do empresário Marcos Valério Fernandes de Souza.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.