Presidente da CPI da Espionagem elogia Dilma pelo adiamento da viagem

'O país só tem a ganhar com esta decisão', disse a senadora Vanessa Grazziotin (PC do B-AM)

Ricardo Brito, O Estado de S. Paulo

17 de setembro de 2013 | 17h38

Brasília - A presidente da CPI da Espionagem, senadora Vanessa Grazziotin (PC do B-AM), elogiou a decisão da presidente Dilma Rousseff de cancelar a viagem oficial que faria no próximo mês aos Estados Unidos. A decisão foi divulgada nesta terça-feira, 17, porque o Palácio do Planalto considerou insatisfatórias as respostas dadas pela gestão Barack Obama às denúncias de que a Agência Nacional de Segurança (NSA, em inglês) espionou conversas da própria Dilma e da Petrobrás.

"O país só tem a ganhar com essa decisão", afirmou a comunista. "Esse é um gesto de altivez", completou. A senadora disse que a presidente só deveria voltar a visitar os Estados Unidos após receber explicações "substantivas" sobre a espionagem. A senadora disse não acreditar em um pedido de "desculpas" do governo americano, mas considera que o país poderia rever os métodos que utiliza nessa área.

Grazziotin disse não ter dúvidas de que há novos dados para serem vazados pelo ex-prestador de serviços da NSA Edward Snowden. "Nós não estamos diante ainda de um centésimo que se tem de informação", disse.

Após sessão da CPI que ouviu a presidente da Agência Nacional de Petróleo (ANP), Magda Chambriard, a presidente da comissão disse que não há o que descobrir por meio de espionagem na Petrobras em relação ao leilão campo de petróleo de Libra.

"Não há segredo. A ANP foi quem furou o poço e descobriu o petróleo. A preocupação é justa, porque estamos diante do maior negócio do Brasil, US$ 1,3 trilhão. Então é claro que a gente tem que ter muita cautela nessa hora", afirmou.

Mais conteúdo sobre:
espionagemDilmaObama

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.