Presidente da Conab pede demissão

O presidente da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), Antônio Carlos da Silveira Pinheiro, pediu demissão nesta sexta-feira à noite.O pedido, aceito prontamente pelo ministro da Agricultura, Pratini de Moraes, foi motivado por causa de denúncias de irregularidades no processo de licitação para compra de 1,528 milhão de cestas básicas. As cestas, compradas há cerca de dois meses, foram destinadas ao programa da seca no Nordeste. O caso está sendo investigado pela Corregedoria-geral da União desde o dia 12 de julho. No dia 12 de junho deste ano, o presidente da Associação das Bolsas de Mercadoria, César Henrique Bernardes, levou à corregedoria denúncia de que o processo de licitação estaria viciado, ou seja, que as empresas vencedoras já estavam escolhidas e não ganharam por qualificações técnicas.O Ministério da Agricultura alega que a licitação foi feita em regime de urgência e completamente regular. Depois da abertura do processo, a corregedoria enviou pedidos de esclarecimento para Pinheiro e aos ministérios de Desenvolvimento Agrário e da Agricultura.Ao receber o pedido para informações, o então presidente da Conab teria cobrado satisfações de Bernardes. Apesar de ser protegido pelo sigilo determinado pela corregedoria há um mês, o nome do autor da denúncia estava anexado ao processo que foi enviado a Pinheiro. Mesmo assim, nesta sexta-feira a corregedora abriu sindicância para apurar o vazamento do nome por Pinheiro. "Ele recebeu o documento, mas deveria preservar o sigilo porque está em função pública", disse.Se o vazamento do nome for confirmado nas investigações, disse Anadyr, Pinheiro pode ser enquadrado em crime penal, e o caso será encaminhado à Polícia Federal e ao Ministério Público para que o processo seja aberto. De acordo com informações da assessoria de imprensa do Ministério da Agricultura, Pinheiro estava à frente da Conab há cerca de um ano por indicação do próprio ministro.Pinheiro não é funcionário público, tem formação técnica e não é ligado a nenhum partido político.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.