Presidente da Comissão será conhecido hoje

O líder do PMDB no Senado, Renan Calheiros, deve divulgar até o meio-dia o nome do integrante do partido que vai presidir a Comissão Mista de Segurança Pública. A comissão terá 60 dias para analisar os 245 projetos sobre segurança pública que tramitam no Congresso e selecionar os prioritários. Calheiros disse que entre os mais cotados estão o ex-ministro da Justiça, Iris Resende, e o senador Amir Lando. Renan Calheiros, defende como primeira providência do Congresso Nacional, no combate a violência, o controle na venda de armas. Projeto semelhante já foi derrotado no Congresso. Mas, para ele, o controle da venda num país onde 63% dos crimes ocorrem por motivos fúteis, pode contribuir para a redução dos índices de violência. O Brasil, segundo o senador, tem 2,9% da população no mundo que respondem por 10% dos crimes que acontecem no planeta. "É preciso aproveitar o momento e enfrentar o lobby das indústrias de armas", defendeu o senador em entrevista ao Bom Dia Brasil, da TV Globo.O líder do PMDB no Senado disse também que está torcendo para que o partido encontre um candidato de peso para disputar a sucessão presidencial. "Se o partido tiver um candidato competitivo, que possa ganhar, ótimo. O partido não pode alimentar o ego de ninguém", afirmou Calheiros, referindo-se, sem citar nome, ao governador de Minas Gerais, Itamar Franco. Para Calheiros "candidato com traço na pesquisa" vai atrapalhar os 19 candidatos do partido aos governos estaduais. Com relação a prisão do ex-presidente do Senado, Jáder Barbalho, no último final de semana, Calheiros disse que mantém a posição de que se houver provas, Barbalho deve ser condenado e preso. "Se não houver, paciência. É preciso acabar com pirotecnia", afirmou o senador, que preferiu não entrar no mérito das acusações.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.