UESLEI MARCELINO|REUTERS
UESLEI MARCELINO|REUTERS

Presidente da Comissão do impeachment retira delação de Delcídio do processo

Rogério Rosso (PSD) disse que eventuais documentos juntados após despacho de admissibilidade poderiam, em tese, extrapolar a competência da comissão e não deveriam ser objeto de deliberação por seus membros

Daiene Cardoso e Daniel Carvalho, O Estado de S. Paulo

22 de março de 2016 | 12h39

Brasília - Com quórum cheio, o presidente da comissão especial do impeachment da presidente Dilma Rousseff, deputado Rogério Rosso (PSD-DF), abriu a sessão lendo as respostas das questões de ordem feitas na segunda-feira, 21, por parlamentares do governo. Rosso acatou os pedidos e retirou do processo o conteúdo da delação premiada do senador Delcídio Amaral (sem partido-MS). Imediatamente, o deputado Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP) anunciou que vai recorrer da decisão à Presidência da Câmara.

Em uma longa resposta, Rosso disse que eventuais documentos juntados após despacho de admissibilidade poderiam, em tese, extrapolar a competência da comissão e não deveriam ser objeto de deliberação por seus membros. "Decido que esta comissão não considere o documento juntado no dia 17 de março como objeto de análise porque aqui não é a instância competente para produção de prova, e sim o Senado Federal", declarou.

O deputado lembrou que o papel da Câmara é votar a abertura do processo de afastamento, cabendo ao Senado a produção de provas e julgar as denúncias contra a mandatária. Assim, o processo se concentrará apenas aos termos iniciais do pedido de impeachment e focará na análise das chamadas "pedaladas fiscais". "Não deve constar no relatório menção a este ou qualquer outro documento encaminhado", enfatizou.

Rosso, no entanto, disse que o conteúdo da delação premiada era de conhecimento público e que não poderia impedir que os membros da comissão fossem influenciados pelos documentos.

Até a véspera da eleição da comissão processante, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), afirmava que não permitiria o aditamento do processo. Entretanto, o documento de notificação da presidente da República informava sobre a junção nos autos da delação de Delcídio. A base aliada reagiu à anexação e ameaçou judicializar o processo caso os novos documentos fossem mantidos no processo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.