Beto Barata/Estadão
Beto Barata/Estadão

Presidente da Comissão de Orçamento se diz favorável à redução da meta fiscal

Senadora Rose de Freitas defendeu que a mudança possa ser feita na votação da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) do próximo ano, que deve ser votada nesta terça-feira na comissão

RICARDO BRITO, O Estado de S. Paulo

13 de julho de 2015 | 18h49

Brasília - A presidente da Comissão Mista de Orçamento (CMO), senadora Rose de Freitas (PMDB-ES), disse nesta segunda-feira, 13, ser "totalmente favorável" à redução da meta de superávit fiscal para 2016. Ela defendeu que a mudança possa ser feita na votação da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) do próximo ano, que deve ser votada nesta terça-feira na comissão.

Questionada se defende a redução da meta de 2016 de 2% para 1%, Rose respondeu que não tem uma posição tomada. "Eu dependo da opinião de todos. Eu não sou o relator", disse ela, após se reunir com o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL).

LDO. Segundo Rose, é "possível" aprovar a LDO antes de sexta-feira, último dia de trabalho de deputados e senadores. Pela Constituição, os parlamentares só podem oficialmente ter direito a recesso caso aprovem a LDO em sessão do Congresso.

Para a peemedebista, não há clima contrário à votação da proposta na comissão de orçamento. Segundo ela, o único empecilho que tem tido é o fato de que o relator da LDO de 2016, o deputado Ricardo Teobaldo (PTB-PE), ainda não estar em Brasília na véspera da reunião da CMO que deve votar a proposta. Teobaldo estaria doente, segundo Rose. O Broadcast Político, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado, entrou em contato com o gabinete do relator desde a manhã, mas não obteve retorno até às 18h30 desta segunda.

Rose de Freitas não descartou, em caso de ausência de Teobaldo, nomear um relator amanhã, na própria sessão da CMO para conduzir a LDO.

Tudo o que sabemos sobre:
ajuste fiscalOrçamentoCongresso

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.