Presidente da Comissão de Impeachment pede atendimento médico por suspeita de ataque de mosquito

Senador Raimundo Lira (PMDB-PB) abandona sessão em meio às oitivas de testemunhas de defesa da presidente afastada Dilma Rousseff

Bernardo Caram e Isabela Bonfim, O Estado de S.Paulo

17 de junho de 2016 | 16h38

BRASÍLIA - Uma situação inusitada fez com que o presidente da Comissão Especial do Impeachment, senador Raimundo Lira (PMDB-PB), abandonasse a sessão em meio às oitivas de testemunhas de defesa da presidente afastada Dilma Rousseff nesta sexta-feira, 17. Lira argumentou que precisaria de atendimento médico por achar que um mosquito havia entrado em seu ouvido.

"Vou passar a presidência para a senadora Ana Amélia (PP-RS), porque eu vou aqui no serviço médico. Hoje de manhã, quando eu estava aqui, essa janela estava aberta, eu fui pegar um ar natural e parece que entrou um mosquitinho aqui no ouvido", disse, antes de deixar a mesa. A afirmação foi recebida por risadas dos colegas senadores.

No momento da saída de Lira, o ex-ministro da Educação, José Henrique Paim Fernandes, prestava esclarecimentos ao colegiado. Mais cedo, os senadores acompanharam depoimento do ex-ministro da Fazenda e do Planejamento Nelson Barbosa. Outros três oitivas ainda estão previstas para esta tarde.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.