Presidente da CNBB acha 2004 ano perdido na área social

O presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), cardeal-arcebispo de Salvador dom Geraldo Majella Agnelo, acha que 2004 foi um ano perdido em termos de ação social de parte do governo e da sociedade. Ele também não observou "avanços" no combate á corrupção. "Estou muito inclinado a ver que ainda é um ano perdido, contudo não quero culpar unicamente o governo, mas também os setores que procuram influenciar o governo a não fazer, a não se preocupar (com a área social)", disse.Para o cardeal, esses "setores" não querem o crescimento e o desenvolvimento do Brasil, o que se daria "com uma boa educação e trabalho para todos e não com esmola", numa crítica velada ao programa Fome Zero. "Não vou dizer que é um paliativo, mas tenho medo que as pessoas acham que se resolva o problema dando esmola desse jeito".Ele respondeu com um firme "ainda não" ao ser indagado a respeito da queda dos níveis de corrupção no Brasil este ano. "Estamos preocupados com isso há muitos anos e surgiu até a lei de combate à corrupção eleitoral", citou, informando que ao invés de se criarem outros mecanismos nesse campo para coibir o roubo, observou-se uma tentativa de mudar a lei anticorrupção. "Houve várias tentativas de esvaziá-la e ainda há".Dom Geraldo se diz preocupado também com o resultado da pesquisa do IBGE que constatou a obesidade como um problema maior no Brasil que a desnutrição. O cardeal duvidou dos dados e teme que se explore o resultado de uma forma que afaste ainda mais as políticas governamentais dos problemas sociais. "Ela (a pesquisa) não corresponde à realidade, pois fome e miséria existem, é só ir as favelas para constatar", disse. "Não se pode dizer que essas pessoas não sabem comer", declarou. O presidente da CNBB interpreta que esses dados tenham sido "jogados à opinião pública para arrefecer a preocupação com a pobreza e a miséria".Perguntado que nota daria ao governo do presidente Lula, dom Geraldo preferiu ser cauteloso. "Eu diria que nas intenções, se é que se pode julgá-las, daria uma nota bem alta já que ele não pode deixar de desejar o melhor para o País", disse, ressalvando: "Na ordem da execução ele ainda não tem conseguido realizar (as intenções)". O cardeal recomendou educação de qualidade em todos os níveis para começar a resolver os problemas do Brasil.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.