Presidente da Câmara se recusa a comentar novas denúncias

O presidente da Câmara, João Paulo Cunha (PT-SP), se recusou a comentar as novas denúncias envolvendo o ex-assessor da Presidência da República Waldomiro Diniz publicadas hoje na revista Época, e as declarações de José Vicente Brizola, na revista Veja. Ao sair da Câmara para almoço, João Paulo afirmou que a melhor forma de a Câmara responder a este momento é enfrentar o debate e aprovar uma reforma política. João Paulo disse que convocou todos os líderes para uma reunião para o dia 4 de março, para discutir os projetos sobre reforma política que estão tramitando na Câmara, e a urgência para a votação. Segundo ele, a legislação vigente não é a origem da crise, mas é um problema grave. "Se repararem, invariavelmente as crises têm relação com financiamento de campanhas. Então é melhor mudar isso pela raiz", disse João Paulo. Ele reconheceu que este é um assunto muito difícil, mas que deve ser enfrentado. Para João Paulo uma das saídas é o financiamento público de campanha.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.