Presidente da Câmara espera que Copom baixe os juros

O presidente da Câmara, João Paulo Cunha, disse em encontro com empresários do setor de siderurgia, na Confederação Nacional da Indústria que espera que em sua próxima reunião o Comitê de Política Monetária (Copom) comece a reduzir a taxa Selic. "Vamos torcer para o Copom reduzir a taxa de juros na sua próxima reunião, porque já começam surgir condições que permitem mexer em algumas bases da economia, mas com o cuidado que o nosso ministro Palocci tem tido", disse Cunha, em referência ao ministro da Fazenda, Antônio Palocci. Em relação às reformas constitucionais, Cunha disse que se a reforma previdenciária não for aprovada, aqueles que quiserem se aposentar no futuro poderão ser prejudicados, por causa da falta de recursos. Em relação a reforma tributária, Cunha disse que o País não aceita mais a criação de novos impostos, que, segundo o deputado, é a forma mais fácil de resolver o problema de caixa, mas não resolve o problema do País. "A reforma não é aquela que eu sonhava, é verdade. Mas toda a reforma tem o caráter do possível", disse. "O Brasil não pode se dar ao luxo de viver outro período de desânimo. Talvez em outra situação deixemos a reforma do possível para chegar ao ideal". Segundo Cunha, o próximo passo depois da aprovação das reformas será discutir uma política de desenvolvimento que se sustente com suas próprias bases. Para o presidente da Câmara é preciso que a economia volte a crescer com distribuição de renda.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.