Laycer Tomaz/Ag. Câmara/Divulgação
Laycer Tomaz/Ag. Câmara/Divulgação

Presidente da Câmara diz que vai descontar salário de deputado ausente

Rodrigo Maia marca sessões de segunda a quarta-feira na primeira semana de agosto, mês de baixa frequência parlamentar, para votar propostas de interesse do governo e a cassação de Cunha

Daiene Cardoso, O Estado de S.Paulo

20 de julho de 2016 | 13h09

BRASÍLIA - O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse que vai descontar do salário de quem não comparecer para votar em agosto. "É óbvio, pauta marcada, deputado tem de estar presente. Em qualquer trabalho é assim. Se você marcou uma data para que os deputados estejam aqui para votar, é importante que todos votem", afirmou.

Maia marcou sessões de segunda a quarta-feira na primeira semana do próximo mês e sua intenção é manter esse ritmo nas semanas seguintes. Ele reconheceu que em setembro, devido à proximidade das eleições municipais, será mais difícil fazer três sessões semanais.

A declaração do deputado se deve à preocupação dos líderes partidários com o quórum na volta do recesso. Em ano eleitoral, tradicionalmente os meses de agosto e setembro costumam ter baixa frequência parlamentar. Este ano, porém, há uma série de propostas de interesse do governo e a cassação do deputado afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) na agenda.

Para votar a perda do mandato do peemedebista é preciso um quórum alto, de pelo menos 420 parlamentares na Casa, já que são necessários 257 votos para cassá-lo. Enquanto líderes do chamado Centrão - PP, PR, PTB, entre outros - têm dúvidas de que haverá presença suficiente para votar a cassação em agosto, a antiga oposição ao governo Dilma Rousseff (PSDB, DEM, PPS e PSB) diz que fará um esforço para trazer toda sua bancada a Brasília no próximo mês.

Maia disse que sua preocupação é colocar em votação as matérias relevantes, principalmente os temas da área econômica. Na terça-feira, 19, o novo presidente da Câmara teve um jantar com o presidente em exercício Michel Temer e com o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), para sintonizar a agenda legislativa.

Na manhã desta quarta-feira, 20, o deputado disse que é preciso trabalhar junto para superar a crise econômica. "Está na hora do Parlamento, junto com o Executivo e até com o Judiciário, todo mundo colaborar, gerar consenso", pregou. 

Tudo o que sabemos sobre:
Rodrigo MaiaCâmara dos Deputados

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.