JAVIER MAMANI/AFP
JAVIER MAMANI/AFP

Presidente da Bolívia diz que vai retirar embaixador no Brasil se impeachment for aprovado

Por meio de uma rede social, Evo Morales chamou Dilma de irmã e disse que sua 'luta' livra povos 'contra o poder econômico de poucos'

Luciana Amaral, O Estado de S. Paulo

31 de agosto de 2016 | 08h29

O presidente da Bolívia, Evo Morales, afirmou nesta terça-feira, 30, que vai retirar o embaixador boliviano José Kinn do Brasil se o impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff for aprovado nesta quarta, 31.

Ele disse que "se prospera um golpe parlamentar contra o governo democrático de Dilma" e que a Bolívia "defende a paz e a democracia". A Dilma, a quem chama de irmã, diz que com o "processo injusto pretendem conter a rebelião do seu povo e expulsar os pobres, negros e mulheres do poder". 

De acordo com Morales, a "luta de Dilma" é a mesma que livra os povos na América Latina e no mundo "contra o poder econômico de poucos".

Morales ainda escreveu que o único juiz que pode sancionar a conduta política de um presidente é seu povo. "Antes os golpes de Estado eram executados por militares pró-imperiais. Hoje, os golpes de Estado são congressionais, judiciais ou midiáticos."

Morales. Evo Morales é presidente da Bolívia desde 2006 e faz uma linha mais populista, sempre com o apoio de Dilma e do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Entretanto, o governo está envolvido em escândalos de corrupção e também sofre uma grande queda de popularidade. 

Um referendo convocado para mudar a Constituição e permitir que ele se elegesse pela quarta vez, em 2019, foi rejeitado pela população no primeiro semestre deste ano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.