Presidente comemora acordo sobre remédios

O presidente Fernando Henrique Cardoso comemorou hoje avitória do governo brasileiro na disputa contra os Estados Unidos pela patente de remédios para o tratamento da aids. Em rápida declaração antes de embarcar para a Bolívia, onde estará até quinta-feira, ele fez questão de destacar os benefícios do acordo para os brasileiros e voltou a defender a política internacional de seu governo. "Hoje é um dia importante, porque o Brasil obteve uma vitória muito significativa na luta pela questão de patentes da aids", disse o político tucano. "E, nesse caso, não foi só o interesse do Brasil, foi o interesse da humanidade, porque a possibilidade de acesso mais barato a medicamentos para aqueles que são portadores do HIV ou estão padecendo da aids é hoje em dia um ato de solidariedade humana", acrescentou.Em uma resposta velada a seus críticos, para quem seu temperamento conciliador seria um sinal de fraqueza, o presidente frisou que não é necessário agir com dureza para alcançar os interesses do País. "O governo brasileiro é um governo disposto e, sem fazer bravatas, enfrentou os Estados Unidos e conseguiu convencer os Estados Unidos de que nós é quem tínhamos razão", afirmou. "Essa é uma marca histórica, o que mostra que quando se tem determinação como eu tenho, como o Brasil tem, não há o que temer nas relações internacionais, não há que demonizar os outros, há que levantar com firmeza os nossos interesses".Na segunda-feira, foi anunciado em Genebra um acordo entre osgovernos brasileiro e norte-americano que colocou fim em uma disputa pela patente de remédios. Os Estados Unidos aceitaram retirar o panel contra a lei de patentes brasileiras que havia sido aberto junto a Organização Mundial do Comércio (OMC) e o Brasil se comprometeu a avisar com antecedência a concessão de licenças compulsórias para a produção de remédios. Esse instrumento vinha sendo usado pelo governo brasileiro para impedir a prática de preços abusivos pelo mercado farmacêutico, em especial para os remédios indicados para o tratamento da aids.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.