Reprodução/MBL
Reprodução/MBL

Presidenciáveis do centro defendem união da ‘terceira via’ em congresso do MBL

Mandetta, Leite e Luiz Felipe d’Avila falam em construir candidatura capaz de vencer a polarização entre Bolsonaro e Lula

Levy Teles, O Estado de S.Paulo

19 de novembro de 2021 | 22h08

Pré-candidatos à Presidência da República da terceira via defenderam, no 6º. Congresso Nacional do Movimento Brasil Livre (MBL), nesta sexta-feira, 19, uma “união” para vencer a polarização entre o presidente Jair Bolsonaro e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, líderes das pesquisas eleitorais na eleição presidencial de 2022. 

“Essa é uma eleição que está em risco a democracia”, disse Luiz Felipe d’Avila, pré-candidato do Novo. Precisamos nos unir para ter um candidato capaz de destruir o populismo de direita e de esquerda”, afirmou. Ele esteve acompanhado do ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta e do governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite.

Em pronunciamento de abertura do debate, Mandetta que disse que “a terceira via é a única via, a melhor via”. Eduardo Leite, que disputa as eleições prévias do PSDB neste domingo, 21, concordou. O gaúcho manifestou que pretende fazer um governo que valorize as instituições fiscalizadoras do poder público e manteve as críticas aos governos Lula e Bolsonaro.

Mandetta, por sua vez, dedicou parte de sua fala para criticar programas sociais como o Bolsa Família e o Auxílio Brasil. “Este programa muda de nome, mas não muda ação”, disse. “O programa social melhor não é nem o Bolsa Família, nem o Auxílio Brasil; é a carteira assinada.”

Na mesa anterior,  o governador de São Paulo, João Doria, afirmou que poderia abrir mão da própria campanha para apoiar um nome da terceira via. “Temos que ter um candidato que seja viável para mudar o Brasil e que seja capaz de aglutinar o Brasil contra os extremos de Lula e Bolsonaro”, disse o tucano, quando questionado sobre a possibilidade de apoiar o outro nome. A plateia presente gritou pelo nome do ex-juiz Sérgio Moro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.