Presidência confirma Pepe Vargas na Secretaria de Direitos Humanos

Confirmação do governo foi divulgada após confusão em coletiva convocada pelo ex-articulador político de Dilma

Rafael Moraes Moura, O Estado de S. Paulo

08 Abril 2015 | 20h42

 BRASÍLIA - A Presidência da República confirmou, em nota divulgada nesta quarta-feira, 8, que o atual ministro-chefe da Secretaria de Relações Institucionais, Pepe Vargas, será transferido para a Secretaria de Direitos Humanos.


"A presidenta Dilma Rousseff anunciou nesta quarta-feira,  8 de abril, o nome de Pepe Vargas para o cargo de ministro-chefe da Secretaria de Direitos Humanos. Ela agradeceu o empenho, a lealdade e a competência da ministra Ideli Salvati, que deixa o cargo", diz a breve nota da Presidência da República.


A nota não informa o destino de Ideli Salvatti, que deverá ser transferida para a presidência dos Correios, segundo o Broadcast Político apurou.


Confusão. Pepe Vargas convocou uma coletiva de imprensa para anunciar que foi convidado por Dilma para ser ministro da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República e aceitou a proposta. Em seguida, após ser interrompido por uma ligação, ele recuou das afirmações.


"A presidenta Dilma me convidou para ir pra Secretaria de Direitos Humanos, coloquei à presidenta que eu poderia ajudar o seu governo na Câmara dos Deputados, presidente insistiu que eu permanecesse na sua equipe. Eu sou daqueles que acham que as pessoas são os seus valores e as suas circunstâncias. 

Dentro dos meus valores, eu acredito que não se deve dizer 'não' a um pedido da presidenta da República. Não tem nenhuma circunstância que me impede de ir pra SDH, então pelos meus valores e pela ausência de circunstâncias que dificultem minha ida pra SDH, eu vou acolher então o pedido da presidente", havia afirmado.


Pepe, no entanto, mudou o tom do discurso depois de receber uma ligação telefônica que interrompeu por três minutos a coletiva de imprensa. Apesar de ter afirmado, momentos antes, que Dilma insistiu para que ele aceitasse o pedido e confirmar que vai "acolher o pedido", Pepe passou a dar respostas evasivas e insistir apenas que tem condições de colaborar com o governo Dilma se ela decidir. Ele ressaltou que também não teria problemas em reassumir o mandato que tem de deputado federal. "A única coisa que tenho garantia é o meu mandato de deputado", disse.


De volta à sala de entrevista, disse que Dilma não confirmou sua nomeação para a secretaria. "Não houve um comunicado oficial em relação a isso. O que eu digo pra presidenta é que se ela quiser me aproveitar na sua equipe, eu tranquilamente aceito o convite de continuar contribuindo com a sua equipe", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.