Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

Prejuízo com salário de funcionários de Cabral na Fecomercio foi de R$ 8 mi, diz MP

Procuradoria do Rio afirma que ex-governador pediu contratação de aliados, incluindo 'amigos de infância', para atender a seus interesses

Constança Rezende, O Estado de S.Paulo

23 Fevereiro 2018 | 12h48

RIO - O ex-governador do Rio Sérgio Cabral Filho (MDB) indicou seis funcionários para trabalhar na Fecomercio que acabaram gerando prejuízo de R$ 8 milhões aos cofres públicos. Nesta sexta-feira, 23, o presidente do órgão, Orlando Diniz, foi preso preventivamente na Operação Jabuti, da Polícia Federal e do Ministério Público Federal do Rio (MPF).

+++ Chef de cozinha e governanta de Sérgio Cabral eram pagas com verba do Senac, afirma Jabuti

De acordo com o procurador José Augusto Vagos, eles eram remunerados por entidades ligadas ao sistema S, como o Sesc e Senac-Rj. Entre eles, estariam a ex-governanta de Cabral, uma chef de cozinha que trabalhava no Palácio Guanabara (sede do governo estadual) e a mulher e a mãe de Carlos Miranda - operador de Cabral que fechou delação premiada.

"Nós contabilizamos, pelo menos, um prejuízo de cerca de R$ 8 milhões para a Fecomercio na soma destes salários. Identificamos que Cabral solicitou a Diniz a contratação dessas pessoas ligadas a ele e até de amigos de infância para atender a seus interesses pessoais. Alguns deles nunca compareceram para trabalhar nessas entidades", disse o procurador.

Em março do ano passado, a ex-governanta Sônia Ferreira Baptista admitiu que comandava 15 empregados do casal e recebia R$ 20 mil mensais, trabalhando em home office. Era remunerada pelo Senac-RJ, onde era lotada em um cargo comissionado, mas nunca trabalhou na função. A afirmação foi feita durante depoimento ao juiz Marcelo Bretas, da 7.ª Vara Federal Criminal.

Durante a Operação Jabuti, também foi identificado que gestores da Fecomercio do Rio supostamente estariam envolvidos em operações irregulares incluindo o desvio de recursos, lavagem de dinheiro e pagamento, com recursos da entidade, de vultosos honorários a escritórios de advocacia, somando mais de R$ 180 milhões, incluindo o da mulher de Cabral, Adriana Ancelmo.

De acordo com o MPF,  "Cabral emprestou sua expertise para ajudar Diniz (Fecomércio) a lavar dinheiro". 

DEFESA 

Rodrigo Roca, advogado de Cabral, afirmou por nota que que “a mecânica da operação policial de hoje” é a mesma. “A Polícia Federal prende alguém que  diz ser suspeito de ter praticado algum ilícito em conjunto com o ex-governador; após  a prisão, o suspeito  recebe algum benefício depois de ter acusado Sergio Cabral de praticar tudo o que disse a acusação. A única dúvida é sobre quem será o delator (e beneficiário) desta vez. Nada de novo”, afirmou, no texto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.