Prefeitos protestam contra salários com marcha em Brasília

O governo federal se prepara para uma semana agitada em Brasília. Depois da crise causada pela rebelião dos controladores de tráfego aéreo, agora são os prefeitos que ameaçam agitar a capital federal com a marcha que realizam anualmente até Brasília. De acordo com a Confederação Nacional dos Municípios (CNM), organizadora do evento no Hotel Blue Tree, às margens do Lago Paranoá, mais de 2 mil prefeitos deverão chegar à capital entre segunda e terça-feira. Nos últimos dias, o Palácio do Planalto tentou contornar o desgaste que acumula com os prefeitos pela não aprovação, depois de três anos, do aumento de um ponto porcentual no Fundo de Participação dos Municípios (FPM). Atualmente, o FPM distribui entre as prefeituras 22,5% da arrecadação federal do Imposto de Renda e do IPI. Os prefeitos querem que esse porcentual vá para 23,5% - cerca de R$ 1,7 bilhão a mais, em valores de 2007. A estratégia do governo é transferir a votação do FPM para o segundo semestre, junto com a prorrogação da CPMF e da DRU (Desvinculação das Receitas da União), que são de seu interesse direto. Os prefeitos, entretanto, exigem concessões imediatas, como a votação da emenda constitucional que limita os gastos de Estados e municípios com precatórios e o apoio às mudanças na legislação que regula a repartição dos royalties. Conforme noticiado na semana passada pelo Estado, os municípios receberam em 2006 cerca de R$ 3,5 bilhões de royalties, mas 83,6% desse valor é concentrado por 50 prefeituras endinheiradas, quase todas do litoral fluminense. A CNM tenta convencer o governo federal a incluir na pauta da reforma tributária a mudanças dos critérios de distribuição desses recursos. Entre os técnicos do Ministério da Fazenda, há uma posição favorável à alteração nas regras atuais de repartição dos royalties, consideradas distorcivas, mas há dúvidas sobre a viabilidade política da mudança, que contraria os interesses de alguns prefeitos e do governador do Rio, Sérgio Cabral (PMDB), um dos principais aliados atuais do presidente Lula. Sem ter muita coisa o que oferecer, o Planalto tentará aproveitar o período da marcha para oficializar um pacote de medidas na área de educação, como o aumento do auxílio financeiro à merenda escolar e a redução a zero do IPI sobre ônibus escolares. De acordo com fontes do governo, a desoneração tributária também será estendida a ambulâncias e outros equipamentos rodoviários usados pelas prefeituras, como tratores e patrolas. Os prefeitos, entretanto, reclamam que o plano para o transporte escolar é insuficiente e querem "injeção direto na veia", ou seja, dinheiro vivo, para investir e cobrir as despesas que acumulam com o processo de descentralização da saúde e educação. De acordo com o presidente da CNM, Paulo Ziulkoski, os municípios estão no limite de uma crise financeira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.