Prefeitos procuraram orientação formal do Planalto sobre covid-19 ao menos duas vezes

No último pronunciamento sobre a pandemia, Bolsonaro disse que governo federal não havia sido consultado

Paula Reverbel, O Estado de S.Paulo

09 de abril de 2020 | 18h47

Representantes de prefeitos procuraram o Palácio do Planalto formalmente ao menos duas vezes para pedir orientações em relação a medidas de isolamento social. Ofícios divulgados pela Frente Nacional de Prefeitos (FNP) desmentem afirmação do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) feita no pronunciamento desta quarta-feira, dia 8, segundo a qual o governo federal não foi ouvido pelos gestores de Estados e municípios.

“O Governo Federal orienta os entes subnacionais a suspender imediatamente as restrições de convívio social? Caso positivo, por meio de qual instrumento oficial?”, perguntou a FNP em ofícios enviados nos dias 27 e 30 de março.

Os documentos incluem outras dúvidas, inclusive sobre o Sistema Único de Saúde (SUS). As dúvidas foram levantadas após o primeiro pronunciamento do mandatário sobre a pandemia do novo coronavírus – feito no último dia 24.

Nesta quarta, Bolsonaro disse explicitamente que o governo não foi consultado sobre as medidas de isolamento social. “Respeito a autonomia dos governadores e prefeitos. Muitas medidas, de forma restritiva ou não, são de responsabilidade exclusiva dos mesmos. O governo federal não foi consultado sobre sua amplitude ou duração”, afirmou Bolsonaro no pronunciamento. 

Em resposta, a FNP emitiu nesta quinta uma nota de repúdio em que fala dos ofícios enviados. Procurado por meio da Secretaria Especial de Comunicação Social, o governo federal não quis comentar a nota. 

“A postura dele tira o corpo fora do problema”, criticou o presidente da FNP, Jonas Donizette (PSB), que é prefeito de Campinas (SP), sobre Bolsonaro. “Ele está dizendo à população que são os prefeitos que estão mandando todos ficarem em casa, a gente que está fazendo a parte mais antipática”, acrescentou. 

A posição da FNP é que houve omissão do governo federal diante das recomendações contraditórias dadas pelo presidente e pelo Ministério da Saúde, que tem defendido a necessidade de isolamento social para combater a pandemia. “Diante dessa omissão, os prefeitos e governadores tomaram as decisões que eram necessários por que não dava para ficar esperando”, afirmou Donizette.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.