Prefeitos do PMDB acusam líderes na BA de intimidação

Dois prefeitos do PMDB na Bahia, Domingas da Paixão, de Governador Mangabeira, e Antonio Dessa, de São Gonçalo dos Campos, acusam líderes do partido no Estado de invasão de domicílio, tentativa de intimidação e até de racismo. O motivo seria o suposto apoio deles à candidatura à reeleição do governador Jaques Wagner (PT).

TIAGO DÉCIMO, Agência Estado

04 de setembro de 2010 | 18h41

Dessa prestou queixa, na semana passada, na Delegacia de Feira de Santana, acusando um familiar do ex-ministro da Integração Nacional e candidato do PMDB ao governo da Bahia, Geddel Vieira Lima, de ter invadido sua casa, com seguranças, e feito ameaças, por causa do apoio dado a Wagner.

Já Domingas afirma que o próprio Geddel, acompanhado pelo irmão, o presidente do partido no Estado, Lúcio Vieira Lima, foi a sua casa para cobrar fidelidade à legenda. "Eles me chamaram de ''negra doida'' e colocaram seguranças na porta", conta. "Não queriam deixar nem meus filhos entrar em casa."

De acordo com ela, o episódio foi fruto de uma confusão, em 14 de março - aniversário da cidade. "Minha filha (a vereadora Elisa Paixão, também do PMDB) fez um discurso de agradecimento ao governador (Wagner) e ao ex-ministro (Geddel) na Câmara, durante uma cerimônia de entrega do título de cidadão do município ao governador - que foi representado pelo então secretário (de Relações Institucionais) Rui Costa", lembra. "Pouco depois, alguns veículos noticiaram que a gente tinha declarado apoio à candidatura do Wagner, mas isso não aconteceu."

Geddel nega que a tentativa de intimidação tenha ocorrido. "Estive na cidade como ministro naquele dia, inaugurando obras junto com ela", conta. "Fui à casa da prefeita, claro, mas como convidado, para tomar um cafezinho, como sempre aconteceu nessas viagens que eu fazia. Depois de inaugurar as obras lá, passei por várias outras cidades, até chegar a Cabaceiras do Paraguaçu. Isso é fácil de checar."

Para Geddel, a denúncia é uma "indignidade" que "beira o ridículo". "Ela diz que isso aconteceu em março, quando eu nem era candidato, e só vem falar agora? Isso é maluquice."

Domingas afirma que decidiu falar sobre o episódio depois de ficar sabendo, "pelos jornais", que o partido abriu processo para expulsá-la. "Na época, achei que tinha sido uma coisa do momento, que ia ficar naquilo mesmo", conta. Ela diz que avalia, junto com advogados, que providências tomar. "Vou prestar queixa formalmente, porque minha casa foi invadida e sofri racismo, mas estamos vendo a melhor forma de fazer isso."

Geddel confirma a abertura de processos internos para a expulsão dos prefeitos. "Estamos apenas defendendo o princípio da lealdade partidária", diz o ex-ministro. "Existe uma resolução interna, aprovada em convenção e de conhecimento de todos, que veda o apoio de filiado ao partido a outros candidatos."

Tudo o que sabemos sobre:
Eleições 2010PMDBBahia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.