Prefeito também quer enfrentar Lula no PT

O prefeito de Belém, Edmilson Rodrigues (PT), voltou a criticar duramente seu colega de legenda e presidenciável Luiz Inácio Lula da Silva, com quem mantém divergências sobre o programa partidário para as eleições de 2002, e garantiu que vai pleitear a vaga de candidato à Presidência da República pelo PT. Ele teme que, se o partido lançar um programa eleitoral "moderado", nos moldes do que defende Lula, o PT não vá se "diferenciar" das legendas governistas. O petista avalia que Lula e a cúpula do PT estão sendo "domesticados" pelo atual sistema político e econômico. "O ministro da Saúde, José Serra, e o governador do Ceará, Tasso Jereissati, - pré-candidatos do PSDB à Presidência da República - já começaram a questionar até as privatizações e, por isso, se nós não adotarmos um discurso diferenciado, o eleitorado vai achar que Serra e Tasso são da oposição", disse o prefeito, após um almoço com o senador Eduardo Suplicy (PT-SP), no Congresso. Ao contrário do que propõe Lula, Edmilson Rodrigues quer, por exemplo, que o PT inclua em seu programa a proposta de moratória da dívida externa. No encontro, Suplicy, que também pretende ver seu nome lançado na eleição presidencial, defendeu amplas prévias, encontros nos quais os filiados escolherão o candidato do PT, para que a legenda não siga o "exemplo" do PMDB. Segundo ele, a decisão da cúpula peemedebista, de limitar em 3.870 votantes o universo das prévias do PMDB, foi um equívoco. No encontro, ficou acertado que o lançamento do nome do prefeito na disputa interna é estratégico para promover uma ampla discussão em torno do programa eleitoral e garantir a participação do maior número de filiados nas prévias petistas. Eles defenderam ainda que o partido promova debates nos meios de comunicação até março, mês em que serão feitas as prévias. "Eu e o Edmilson estamos entrando para valer na disputa, porque nós não queremos ser simplesmente ?sparrings? do Lula", disse Suplicy. "Queremos os debates para estarmos em ponto de bala para as prévias", acrescentou. No encontro, os aliados Suplicy e Edmilson Rodrigues afinaram ainda mais os discursos para a reunião do diretório nacional do PT deste fim de semana, na qual serão acertadas as regras das prévias. Eles tentarão convencer o diretório a promover debates na mídia, idéia criticada por Lula e o presidente nacional do partido, deputado José Dirceu (SP)."Eu, Edmilson e Lula poderemos participar da vários debates e, quem sabe até, se o Sivio Santos - proprietário do SBT - concordar, poderemos criar mais um quadro na programação da emissora, a ?Casa dos Políticos?, para que os três discutam suas propostas", brincou o senador petista, em referência ao programa Casa dos Artistas, que conta com a participação de seu filho, o músico Supla.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.