Clayton de Souza/AE
Clayton de Souza/AE

Prefeito petista elogia 'postura republicana' de Serra

Para mostrar que não faz distinção por partido, governador levou ao palanque adversário que elogiou sua gestão

Carolina Freitas, da Agência Estado,

29 de janeiro de 2010 | 19h33

Num esforço para tentar provar que não distingue os prefeitos pelo partido, o governador de São Paulo, José Serra (PSDB), levou nesta sexta-feira, 29, ao palanque um prefeito do PT, que fez um discurso repleto de elogios à gestão tucana no Estado. Durante inauguração de novas alas do Hospital Geral de Carapicuíba, o prefeito Sérgio Ribeiro Silva (PT) listou em discurso os investimentos do governo estadual no município e agradeceu a Serra por ajudar a "salvar a cidade".

Durante cinco minutos, o prefeito citou cifras de repasses para a instalação de uma estação de trem em Carapicuíba, a construção de um parque, escolas e faculdades técnicas, um batalhão de polícia e obras de saneamento e habitação. O prefeito fez um agradecimento especial pelos recursos repassados pelo Estado para resolver uma crise no recolhimento de lixo domiciliar da cidade. "São R$ 2,2 milhões para a compra de caminhões e equipamentos de limpeza pública que vão salvar nossa cidade", disse o petista. "Sou testemunha, governador, do seu trabalho e da sua postura republicana. Essa cidade precisa de um governador, um presidente que não olhe as siglas partidárias, mas o interesse comum".

Serra, por sua vez, endossou a tese do trabalho apartidário. "No governo do Estado, trabalhamos sem distinguir a cor de camisa partidária. Não pode ter outra opção, senão a população sai prejudicada. A única cor de camisa que eu às vezes presto atenção é a do futebol", disse o governador, aproveitando para fazer com a plateia de cerca de 200 pessoas uma enquete sobre o time para o qual torciam. Houve divisão entre Corinthians e São Paulo, com o Palmeiras (clube do governador), ficando em terceiro lugar das preferências.

Alfinetadas

Apesar da sintonia com o prefeito de Carapicuíba, Serra voltou a criticar, em entrevista após o evento, as investidas do prefeito de Osasco, Emídio de Souza (PT), contra a cobrança de pedágio na rodovia Castello Branco. "Essa é uma polêmica política. Se não fosse, a própria Prefeitura de Osasco podia renunciar ao ISS que ela vai ter desse pedágio e ia baixar (a tarifa)." Serra voltou a defender a cobrança da tarifa na rodovia, dizendo que, na média, o pedágio baixou.

O governador também respondeu com ironia à cobrança feita na quinta-feira, 29, pelo ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, de que o governador deveria explicar que mudanças faria na economia caso fosse eleito presidente da República. "Ele (Paulo Bernardo) é um ministro que tem trabalhado sem discriminar São Paulo. Retribuo o que ele disse com essa observação." Em entrevista recente à revista Veja, o presidente do PSDB, senador Sérgio Guerra, disse que um futuro governo tucano iria mexer na taxa de juros, no câmbio e nas metas de inflação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.