Prefeito faz vistoria do CEU ''à distância'' e enfrenta protesto

Kassab mostrou obra de cima da laje de uma casa, enquanto manifestantes o chamavam de ?mentiroso?

Ricardo Brandt, O Estadao de S.Paulo

24 de outubro de 2008 | 00h00

Depois do bate-boca em torno das obras atrasadas do Centro Educacional Unificado (CEU) Formosa, que dominou a disputa em São Paulo nesta semana, o prefeito Gilberto Kassab (DEM) esteve ontem no local e foi recebido por um grupo de 30 manifestantes petistas com narizes de palhaço e gritos de "mentiroso".A visita ao extremo leste da cidade aconteceu depois de o candidato ter desmarcado vistoria anunciada durante o último debate para terça-feira por conta de uma manifestação armada para aquele dia. Enquanto petistas e a própria candidata Marta Suplicy (PT) foram até o CEU, Kassab fez uma "vistoria eletrônica", acompanhado imagens da construção a partir de um prédio da prefeitura.Ontem, acompanhado do secretário de Obras, Marcelo Branco, o candidato inovou novamente e criou uma "vistoria a distância". Da laje de um sobrado residencial do outro lado da rua, mostrou a jornalistas a planta do CEU, indicando onde ficarão as salas de aula para 2 mil estudantes, piscina e quadras e reafirmou que as unidades escolares ficarão prontas até fevereiro. Ele não entrou no canteiro de obras.Enquanto o prefeito fazia sua exposição, os manifestantes reuniram-se em frente da casa e passaram a acusá-lo de "mentiroso". Marta sustenta que a prefeitura, apesar de prometer, não entregará a obra dentro do prazo.Do alto da laje, Kassab acusou o PT de ter feito uma "pegadinha" ao visitar a obra na terça-feira. "É uma pegadinha dela para iludir o eleitor, uma jogadinha para pôr na TV e ficar a imagem de que nós não viríamos aqui ou que não iríamos entregar a obra."Tentando minimizar o constrangimento, Kassab disse que a manifestação era natural. "É um direito do eleitor se manifestar." Quando o prefeito deixou o local, os manifestantes aproximaram-se de seu carro gritando e batendo nos vidros e na lateral.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.