Prefeito é indiciado por desviar R$ 4 milhões no Amapá

O prefeito de Santana, Rosemiro Rocha (PL), foi indiciado pela Polícia Federal pelos crimes de formação de quadrilha, prevaricação, corrupção ativa, inserção de dados falsos no Sistema Integrado de Administração Financeira (Siafi), fraude em licitações e desvio de verbas públicas. As investigações da Polícia Federal mostraram que, dos R$ 5,5 milhões referentes à primeira parcela do repasse federal para execução das obras do Porto de Santana, orçado em R$ 64 milhões, quatro milhões foram desviados. "O dinheiro desapareceu dos cofres da prefeitura antes mesmo que fosse iniciada a obra", afirma um documento da Polícia Federal enviado ao Tribunal Regional Federal (TRF). Rosemiro Rocha é acusado ainda comandar um esquema que fraudava o Siafi, pagando funcionários do Ministério da Educação para retirar do sistema as inadimplências da Prefeitura tornando-a apta a receber recursos federais. O prefeito de Santana continua preso na Polícia Federal. À meia noite desta sexta-feira esgota-se o período de prisão temporária. Segundo o superintendente da Polícia Federal no Amapá, delegado Aldair da Rocha, até às 18h desta sexta não havia nenhum pedido de prorrogação da prisão. Mas o delegado não descartou essa possibilidade. Rosemiro Rocha divide a mesma cela com o prefeito reeleito de Macapá, João Henrique Pimentel (PT), cuja período de prisão temporária vai até a meia noite deste sábado.João Henrique foi indiciado pelos crimes de formação de quadrilha, desvio de verbas públicas, corrupção passiva e fraudes em licitações.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.