Prefeito do PSB defende aumento de receita das cidades

O prefeito de Campinas, Jonas Donizette (PSB), pediu ao presidente nacional do partido, Eduardo Campos, e ao líder da legenda na Câmara, deputado Beto Albuquerque (RS), que o PSB encabece também o movimento em defesa de um rearranjo do pacto federativo, aumentando a fatia do bolo reservada aos municípios dos impostos arrecadados no País.

RICARDO BRANDT, Agência Estado

26 Junho 2013 | 19h09

"Esse é um tema essencial. A autoridade regional, os prefeitos, são os primeiros a serem cobrados num momento como esse", afirmou o prefeito, que conversou por telefone com o líder do partido na noite desta terça-feira, 25. "Defendi que o PSB deve assumir a questão do pacto federativo como uma bandeira."

Para Jonas, o tema ficou ofuscado diante da discussão sobre o plebiscito para decidir sobre uma constituinte exclusiva. Prefeito da maior cidade do interior paulista, com mais de 1 milhões de habitantes e orçamento de R$ 3,7 bilhões, o pessebista defendeu que os municípios devem elevar sua participação no rateio do dinheiro de impostos, dos atuais 5%, para pelo menos 10%. "Isso já resolveria muitos problemas", disse o prefeito.

Atualmente, a União fica com 75% dos recursos arrecadados em impostos, estados com 25% e municípios com 5%. "O momento é adequado", defendeu Jonas. Alvo de protestos em sua cidade, ele reduziu a tarifa de R$

3,30 para R$ 3,00. O novo valor passou a vigorar segunda-feira, 24.

Sobre a proposta encabeçada pelo PSB no Congresso da emenda constitucional que prevê tarifa zero ao transporte público, Jonas preferiu não polemizar. "É um tema importante a ser discutido. Mas o partido é uma instância política. O projeto da deputa Luiz Erundina busca equiparar o transporte como direito fundamental", desconversou o prefeito.

Mais conteúdo sobre:
PSB pacto federativo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.