Prefeito de Unaí é condenado por trabalho escravo

O prefeito de Unaí, José Braz da Silva, foi condenado pela Justiça Trabalhista do Pará por submeter empregados a condições análogas a de escravos em sua fazenda, localizada no município de Canaã dos Carajás, no sul daquele Estado. Em sua decisão, a juíza Tereza Cristina de Almeida Cavalcante Aranha, da Vara do Trabalho de Parauapebas, no Pará, determinou a quebra dos sigilos fiscal e bancário do político, a indisponibilidade de seus bens e o bloqueio de R$ 280 mil que servirão para pagar indenizações.Conforme o Ministério Público do Trabalho, uma visita feita em dezembro de 2002 por integrantes do Grupo Especial de Fiscalização Móvel na fazenda Boa Esperança teria constatado aliciamento de mão-de-obra, alojamentos sem condições de habitabilidade e endividamento dos trabalhadores, que eram obrigados a comprar equipamentos e comida na fazenda a preços acima dos cobrados no comércio. A juíza ordenou ao prefeito que não adote ato "que signifique coação, fraude, erro ou dolo, no sentido de compelir os trabalhadores que mantém em propriedade, ou que venha a manter, a utilizarem armazém, cantina os serviços mantidos pela fazenda a título oneroso". A magistrada também determinou que Silva registre os contratos de trabalho e garanta condições dignas de emprego, higiene, segurança e medicina do trabalho.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.