Prefeito de Recife promete lutar por candidatura

João da Costa não descarta possibilidade de entrar na Justiça Eleitoral para garantir seu direito

ANGELA LACERDA, Agência Estado

13 de junho de 2012 | 18h12

RECIFE - Disposto a "lutar até o fim" para ser candidato à reeleição, o prefeito João da Costa concordou nesta quarta-feira, 13, com o governador Eduardo Campos (PSB), para quem o partido perdeu a condição de coordenar a sucessão no Recife. "A forma de conduzir o processo está levando o PT a perder estas condições", afirmou ele, em entrevista a uma rádio local, ao reafirmar que não descarta a possibilidade de entrar na Justiça Eleitoral para garantir o que considera um direito seu.

Veja também:

link PSB rompe com PT no Recife, mas fica fiel a Haddad

link João da Costa recorre de intervenção do PT

"Minha candidatura hoje é consistente, temos condições de vencer a disputa no Recife, estamos fazendo um governo melhor a cada dia", avaliou o prefeito, que aguarda, no dia 25, o julgamento do recurso impetrado à direção nacional do partido contra a decisão da executiva de impor o senador Humberto Costa como candidato. O nome do senador foi homologado também pelo diretório municipal.

João da Costa disputou e venceu prévias com o deputado federal Maurício Rands, no dia 20. Elas foram anuladas diante de questionamento sobre a regularidade dos votantes. Novas prévias foram marcadas, mas Maurício Rands, atendendo à direção nacional, renunciou em nome de Humberto Costa. João da Costa manteve a candidatura e luta para ser reconhecido candidato, o que, ao seu ver, seria natural diante da desistência do adversário.

"Não adianta tratar as coisas sem convencer, sem conversar, sem ser pela política", disse o prefeito. "Isso o povo do Recife não aceita, por onde tenho andado é uma indignação só". Para ele, a direção nacional tem que "conhecer melhor o que está acontecendo".

Humberto Costa, da tendência Construindo um Novo Brasil (CNB), tem apoio do ex-presidente Lula, que já se comprometeu a participar de sua campanha. Ele confia que ainda irá costurar a unidade do PT e dos partidos aliados da Frente Popular, comandada pelo governador Eduardo Campos. O governador, que anunciou nesta terça estar assumindo a articulação da sucessão na capital pernambucana diante da interminável disputa interna do PT, se encontra com Lula na sexta-feira em São Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
eleiçõesJoão da CostaPTRecife

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.