Prefeito de Maceió deve apoiar reeleição de governador

Uma nova mudança no tabuleiro das eleições em Alagoas está em curso, na disputa majoritária. O prefeito de Maceió, Cícero Almeida (PP), deve anunciar ainda este mês o seu apoio à reeleição do governador Teotônio Vilela Filho (PSDB). "Essa aliança é possível e pode acontecer naturalmente", afirmou Almeida, em entrevista à imprensa nesta segunda-feira, durante o café da manhã de lançamento dos festejos de São João de Maceió, em parceria com o governo do Estado.

RICARDO RODRIGUES, Agência Estado

14 de junho de 2010 | 15h08

Depois de ter desistido da disputa pelo comando do Estado, Almeida passou a ser o "cabo eleitoral" mais cobiçado de Alagoas, devido à sua popularidade, principalmente em Maceió, onde tem mais de 80% de aceitação. O apoio de Almeida é disputado pelos três pré-candidatos ao governo: Vilela, o ex-governador Ronaldo Lessa (PDT) e o senador Fernando Collor (PTB). Apesar de ter declarado apoio à Lessa, o prefeito manteve a porta aberta aos outros dois pré-candidatos.

Após o PP ter declarado apoio à reeleição de Vilela, Almeida foi se distanciando de Lessa e ficando mais próximo do atual governador. Segundo o presidente do PP de Alagoas, deputado federal Benedito de Lira, que já se coloca como candidato ao Senado pelo grupo de Vilela, o apoio do prefeito à coligação governista "é uma questão de tempo". No entanto, Almeida frisa que faz parte de um grupo político que, "mesmo desfalcado", vai disputar o governo do Estado.

O grupo político a que o prefeito se refere é liderado pelo senador Renan Calheiros (PMDB) e tem o aval do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que declarou apoio a Lessa. Por isso, o ex-governador conta como aliados o PT e o PCdoB, que fazem parte da base aliada do governo federal. Quando ao "desfalque" que o grupo teria sofrido, Almeida referiu-se ao PP, que abdicou do apoio a Lessa em nome da coligação com Vilela; e ao PTB, que preferiu apostar no nome do senador Fernando Collor ao governo do Estado.

Apesar da direção nacional do PTB ter declarado apoio à pré-candidatura do ex-governador de São Paulo José Serra à Presidência, em Alagoas, Collor já disse que apoia Dilma Rousseff. Por isso, a candidata do PT terá dois palanques em Alagoas: um montado pela chapa encabeçada por Lessa e outro montado pela chapa de Collor. A candidata de Lula também tem o apoio de Almeida, embora o prefeito venha se afastando de Lessa e se aproximando de Vilela, cujo palanque é totalmente favorável a Serra.

"Sou amigo do governador e, se tiver de ocorrer alguma aliança, isso vai se dar naturalmente", afirmou Almeida, revelando que Vilela o chamou para uma conversa de "pé-de-orelha". Questionado sobre o possível apoio de Almeida à sua reeleição, o governador repediu o discurso que vem mantendo desde o início do ano: "Só falo sobre eleições após as convenções partidárias". Mas fez questão de enfatizar a parceria que mantém como prefeito da capital, no campo administrativo e social.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.