Prefeito de Lorena-SP é processado por improbidade

O prefeito de Lorena, Paulo César Neme, teve ação de improbidade administrativa ajuizada em seu nome, informou a Procuradoria da República em São Paulo hoje. Neme, mais duas empresas e seus três administradores são acusados de desvio e má aplicação de R$ 140 mil do Ministério do Turismo, que causaram prejuízo de R$ 152,8 mil ao município. Caso condenado, Neme poderá perder o cargo.

CAROLINA SPILLARI, Agência Estado

31 de maio de 2011 | 18h01

Mesmo sabendo que a Feira Regional do Turismo seria cancelada, o prefeito aceitou firmar o convênio de R$ 140 mil com o Ministério do Turismo em outubro de 2009.

A verba foi utilizada dois meses depois para pagar as empresas Globo do Brasil Ltda (de Germano Constantino Batista e Bruno César de Santi) e Gustavo Coura Guimarães-ME (de Gustavo Coura). Essas empresas foram contratadas sem licitação para a Lorenvale, outra feira que ocorreu meses antes, em junho de 2009.

Quando o Ministério cobrou a prestação de contas da feira não realizada em março de 2010, o prefeito pediu para usar a verba em outra atividade, mas teve o pedido negado, tendo que retirar o montante dos fundos do município.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.