Prefeito de Campinas defende esposa em depoimento

Em depoimento dado na manhã de hoje à Comissão Processante (CP) que apura supostas irregularidades em sua administração, o prefeito de Campinas (SP), Hélio de Oliveira Santos (PDT), defendeu sua mulher, Rosely Nassim dos Santos, acusada dos supostos crimes de formação de quadrilha, corrupção passiva e fraudes em licitações.

TATIANA FÁVARO, Agência Estado

29 de junho de 2011 | 17h57

Dr. Hélio negou qualquer envolvimento de seu nome ou conhecimento sobre irregularidades na Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S.A. (Sanasa), alvo da investigação do Ministério Público do Estado de São Paulo e núcleo do esquema denunciado pelos promotores do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) à Justiça.

De acordo com as investigações, a primeira-dama seria o centro da organização também composta pelo vice-prefeito Demétrio Vilagra, ex-secretários, ex-funcionários e empresários. "Estou passando por um purgatório", afirmou o prefeito. "Não é fácil, porque tenho acusações envolvendo minha família, minha esposa", disse, durante depoimento que durou quase duas horas e meia e foi tomado pela CP em uma sala reservada na Câmara de Campinas, enquanto cidadãos, políticos e a imprensa acompanhavam os trabalhos por meio de um telão.

A CP investiga supostas irregularidades na administração municipal em autorizações para parcelamento do solo (loteamentos), instalações de antenas de telefonia celular no município e em contratos da Sanasa. O prefeito disse ver a comissão como um instrumento político.

Santos afirmou desconhecer irregularidades ou esquemas fraudulentos e negou que Rosely tenha mencionado relações com Luiz Aquino, ex-presidente da Sanasa que, sob delação premiada, revelou à Promotoria suposto esquema de pagamento de propina e fraudes em contratos da empresa de saneamento.

Tudo o que sabemos sobre:
investigaçãocorrupçãoCampinas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.