Prefeito acusado de desvio retoma cargo em Pirambu-SE

Apesar de ter admitido à polícia e a Justiça que foi responsável por desvios de dinheiro público em Pirambu, a 76 quilômetros de Aracaju, o prefeito Juarez Batista (sem partido) voltou ao cargo hoje, depois de uma intervenção que durou 180 dias. Um dos primeiros atos de Batista foi exonerar todos os secretários nomeados pelo interventor Moacir Santana Júnior e afirmou que fará uma análise minuciosa da intervenção. Sobre as irregularidades apontadas com a intervenção, o prefeito de Pirambu disse desconhecer o relatório, mas afirmou que a assessoria jurídica acompanhará tudo de perto. Batista estava afastado da prefeitura há seis meses por suspeita de corrupção. "Passado é passado. Eu sou o prefeito. A intervenção acabou. Fui eleito para exercer o mandato até o dia 31 de dezembro", afirmou. Alegando que a intervenção havia acabado, o prefeito reassumiu o cargo. O interventor decidiu sair da prefeitura.Mas, pelo calendário do Ministério Público Estadual (MPE), a intervenção só terminaria na sexta-feira. Isso porque, equivocadamente, foi levado em conta o prazo de seis meses, e não de 180 dias corridos. Até a sexta-feira, o MPE esperava conseguir uma resposta positiva do Tribunal de Justiça (TJ) para prorrogar a intervenção. Mas Batista foi mais ágil, fez as próprias contas e disse que nem todos os meses têm 30 dias - fevereiro tem 29. "Eu me reuni com o dr. Moacir e, na base da paz, do diálogo, reassumi sem problema nenhum. O prazo acabou", disse à porta do gabinete, depois de conversar por quase duas horas com o interventor. Já o agora ex-interventor, Moacir Santana, disse que gostaria de ter mais tempo para pôr a administração municipal nos trilhos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.