Prefeita pode perder mandato por compra de votos no AM

A Polícia Federal (PF) do Amazonas não dispõe de equipamento para fazer o reconhecimento de voz em uma fita cassete onde a prefeita de Barcelos, a 396 quilômetros de Manaus, Alberta Oliveira de Deus (PSDB), supostamente assume que o ex-prefeito do município Ribamar Beleza (PFL) ajudou a elegê-la em 2002, dando eletrodomésticos para os eleitores em troca de votos.Segundo a assessoria da PF, a fita foi devolvida nesta terça-feira ao juiz Francisco Maciel do Tribunal Regional Eleitoral (TRE), que fez o pedido da perícia e é relator do recurso apresentado pela prefeita contra a decisão do juiz Rosselberto Himenes, que determinou a perda de seu mandato. No dia 7 de abril, a decisão do juiz para cassar o mandato teve como principal prova a gravação de declarações de Alberta durante entrevista a um programa de rádio quatro dias após o resultado das eleições. Em sua decisão, Himenes afirma que as declarações da prefeita "não deixam qualquer dúvida a respeito da prática de crime eleitoral com a doação de bens em troca de voto". Mesmo condenada em primeira instância, a prefeita continua no cargo protegida por uma liminar concedida pelo juiz Maciel.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.