Prefeita de Ribeirão Preto deve trocar DEM pelo PSD

A sete dias do prazo final para a filiação partidária de candidatos às eleições municipais de 2012, a prefeita de Ribeirão Preto (SP), Dárcy Vera, está decidida a trocar o DEM pelo PSD, do amigo e padrinho político Gilberto Kassab, prefeito de São Paulo. "Ela disse que está realmente disposta a ir para o PSD, o que me surpreendeu", disse à Agência Estado Mandrison de Almeida, marido da prefeita.

GUSTAVO PORTO, Agência Estado

30 de setembro de 2011 | 19h56

Além da pressão constante de Kassab, a crise entre a prefeita e o PSDB e o governador Geraldo Alckmin ajudou Dárcy a mudar de ideia sobre sua permanência no DEM. Hoje, em seu perfil na rede de microblogs Twitter, Dárcy reproduziu um link para uma matéria na qual o senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP) critica o tratamento dado pelo diretório tucano em São Paulo a ele e ao ex-governador José Serra. "Aloysio Nunes diz que PSDB-SP ignora ele e o Serra. Imaginem o que fazem comigo em Ribeirão", criticou a prefeita. "O desabafo do senador mostra o desconforto dele na própria casa, que é o PSDB", completou.

O descontentamento de Dárcy com Alckmin teria origem em uma suposta promessa de apoio do governador à reeleição da prefeita em 2012, o que certamente não se concretizará. Alckmin defende a candidatura de um dos seus políticos mais próximos, o deputado federal e líder tucano na Câmara, Duarte Nogueira. O PSDB de Ribeirão Preto tem ainda como possível candidato o ex-prefeito e deputado estadual Welson Gasparini, derrotado por Dárcy em 2008.

Para o marido da prefeita, a ida de Dárcy para o PSD melhoraria ainda mais o bom relacionamento dela com o governo federal e com o PT, ainda com influência na cidade do ex-prefeito e ex-ministro da Fazenda e da Casa Civil, Antonio Palocci. "No PSD, uma coligação com o PT seria difícil, mas certamente evitaria ataques a ela em 2012", disse Almeida. "Se ela for reeleita, aí o governador vai tratá-la como deveria", concluiu.

Mais conteúdo sobre:
PSDprefeitaRibeirão Preto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.