Prefeita de Ribeirão Preto deixa DEM e filia-se ao PSD

A prefeita de Ribeirão Preto (SP), Dárcy Vera, confirmou hoje sua desfiliação do DEM após 14 anos no partido e a ida para o PSD, conforme antecipou na última sexta-feira a Agência Estado. Após constantes elogios aos governos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e da presidente Dilma Rousseff, do PT, Dárcy admitiu que a mudança para o PSD "amplia o diálogo com o governo federal". A prefeita evitou críticas diretas, mas cobrou mais "atenção" e "agilidade" do governo paulista, comandado pelo tucano Geraldo Alckmin, com as demandas da cidade.

GUSTAVO PORTO, Agência Estado

04 de outubro de 2011 | 18h58

Dárcy citou uma série de obras na cidade paulista tocadas em parceria com o Estado que estão lentas ou até paradas. "Eu cansei de lutar pela internacionalização do aeroporto e pela liberação do terminal alfandegário, mas falta agilidade", exemplificou a prefeita, lembrando: "Eu trabalhei pelo governador e ele teve uma ampla votação aqui."

A prefeita não comenta, mas nos bastidores a pressão do PSDB sobre ela e a decisão dos tucanos em ter candidato próprio na cidade, em vez de apoiar a sua reeleição, azedaram as relações entre os dois lados e foram fundamentais para a ida de Dárcy para o PSD. Se para os tucanos seguem as cobranças, para o governo federal sobram elogios. "O governo federal sempre atendeu nossas demandas e nos ajudou, por exemplo, com as obras de combate às enchentes", lembrou Dárcy, que tem um bom relacionamento com o ex-ministro da Fazenda e da Casa Civil Antonio Palocci.

A prefeita admitiu, inclusive, conversar com o PT de Palocci para as eleições de 2012, mas afirmou que a parceria com o PMDB, partido do vice-prefeito Marinho Sampaio, segue firme. Na cidade, o PMDB é comandado pelo deputado estadual e presidente estadual do partido, Baleia Rossi, e pelo ex-ministro da Agricultura e pai do parlamentar, Wagner Rossi.

Além da prefeita, trocaram o DEM pelo PSD os vereadores Marcelo Palinkas, Coraucci Neto, Bebé de Oliveira e Waldir Vilela, além de oito secretários de governo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.