Andre Dusek/AE
Andre Dusek/AE

Prefeita de Fortaleza defende aliança entre PT e PSB

Segundo Luizianne Lins, não existe motivos para que coligação não aconteça

Daiene Cardoso, Agência Estado

30 de março de 2012 | 16h16

SÃO PAULO - A prefeita de Fortaleza, Luizianne Lins, disse nesta sexta-feira, 30, que, no que depender dela, a aliança entre PT e PSB será fechada para sua sucessão na capital cearense. A cidade é vista pelos partidos como um dos pontos cruciais para que o PSB apoie a candidatura de Fernando Haddad à Prefeitura de São Paulo.

"Se há de ter alianças, no que depender de mim, essa aliança será feita. Não tem por que não acontecer", afirmou a prefeita, que participou nesta tarde do seminário "Governança Metropolitana - Desafios, Tendências e Perspectivas", promovido em um hotel da capital paulista pelo Instituto Lula e pela Fundação Perseu Abramo.

Embora tenha dito que está lutando pessoalmente para que os partidos estejam juntos nas eleições municipais, Luizianne admitiu que parte do PSB, partido do governador do Ceará, Cid Gomes, quer uma candidatura própria e não apoia a aliança com os petistas. "A gente vai buscar até o último momento a aliança, mas o PT terá candidato próprio em qualquer circunstância", ressaltou.

Em Fortaleza, cinco pré-candidatos disputam a indicação do PT para a sucessão da prefeita. A escolha só será definida no dia 13 de maio. Luizianne disse que é preciso respeitar a dinâmica do PT e o processo de discussão interna para a definição do candidato. Ela rechaçou a indicação de nomes do PT apontados por líderes do PSB. "É a mesma coisa que eu dizer para o governador do Pernambuco, Eduardo Campos, que ele não deve indicar o candidato à sucessão dele, que na verdade o PT deve indicar", comparou.

Para ela, independente da política de alianças, que é importante na disputa municipal, é preciso manter a tradição petista de escolha interna de seu candidato. "Eu tenho a obrigação de defender, até por uma questão moral, os espaços políticos de discussão, até porque eu sou fruto deles", afirmou.

De acordo com a prefeita, no que depender do governador Cid Gomes, a aliança entre PT e PSB será fechada sem nenhuma restrição de nomes. "A relação com o governador é muito boa, a gente rapidamente se entende. O problema é que as mediações muitas vezes são complicadas."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.