Prédio do Incra no DF é desocupado

Manifestantes dizem que 75% das reivindicações foram atendidas

O Estadao de S.Paulo

03 de novembro de 2007 | 00h00

Os manifestantes - entre os quais integrantes do Movimento dos Sem-Terra (MST) - que ocupavam o prédio do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) em Brasília, desde quarta-feira, desocuparam o imóvel na noite de anteontem. A garagem, onde se concentrou parte dos manifestantes, foi a última área a ser liberada. Liminar da Justiça do Distrito Federal determinou a reintegração de posse, que só seria executada se os militantes não deixassem o prédio até ontem.Segundo os militantes, depois de um dia de negociações com o Incra, 75% das reivindicações foram atendidas. Entre elas, a liberação de mais profissionais da área de assistência técnica para atuar nos assentamentos e um acordo para recadastrar 1,8 mil famílias que querem ser assentadas no Distrito Federal. O movimento reivindica a desapropriação de 40 fazendas improdutivas na região do DF e do entorno. O tema deve voltar a ser negociado na próxima semana.REIVINDICAÇÕESCerca de 400 pessoas ligadas ao Movimento dos Trabalhadores Desempregados (MTD), ao MST e ao Movimento de Apoio aos Trabalhadores Rurais (MATR) participaram da ocupação, segundo cálculo das próprias entidades. É a segunda vez este ano que movimentos ligados à reforma agrária ocupam a sede do Incra em Brasília.A ocupação, segundo nota do MST, ocorreu em protesto contra a inoperância do instituto em relação à reforma agrária no Distrito Federal e entorno. As principais reivindicações são a recuperação das habitações rurais, assistência técnica para os assentamentos e a concretização da desapropriação de áreas que já estão liberadas para a reforma agrária - em alguns casos, há mais de 3 anos. O líder do Movimento dos Trabalhadores Desempregados, Wilnean de Melo, que participou da manifestação, disse que o órgão também "sinalizou com avanços" no que diz respeito à criação de uma linha de crédito para habitação, mas não adiantou detalhes. A assessoria de imprensa do MST confirmou a negociação.O superintendente do Incra em Brasília, Herbert Lima, não foi encontrado para comentar as negociações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.