Jeenah Moon/Bloomberg Photo
Jeenah Moon/Bloomberg Photo
Imagem João Gabriel de Lima
Colunista
João Gabriel de Lima
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Precisamos trazer os ‘russos’ para o jogo

Multinacionais devem adotar cada vez mais práticas sustentáveis para salvar o planeta

João Gabriel de Lima, O Estado de S.Paulo

27 de novembro de 2021 | 03h00

Pense num pequeno país africano que acaba de descobrir petróleo em seu mar territorial. Pense, agora, numa grande empresa multinacional de móveis e equipamentos de decoração. Pergunta: quem tem mais a contribuir na mitigação das mudanças climáticas?

A provocação é do economista Jorge Arbache, vice-presidente do Banco de Desenvolvimento da América Latina. Ele esteve na COP de Glasgow, onde circulou entre CEOs do setor privado. De lá saiu com um diagnóstico: “Se as grandes empresas multinacionais abraçarem a causa da economia de baixo carbono, sua contribuição pode ser maior que a de muitas nações individualmente”. Arbache é o entrevistado do minipodcast da semana.

Enquanto um pequeno país (Gana, no caso acima) tem jurisdição apenas sobre suas próprias fronteiras, uma multinacional influencia cadeias produtivas no mundo inteiro. Se tais cadeias forem obrigadas a adotar boas práticas, isso gerará um imenso círculo virtuoso. Além disso, só grandes multinacionais teriam como bancar o investimento que a transição para o baixo carbono exige – empresas médias correriam o risco de ficar fora do jogo.

Para que planos assim funcionem, é essencial combinar com os “russos”, os CEOs das multinacionais – o que é algo complexo. “Por mais que alguns sejam idealistas ou vejam oportunidades de ganhos futuros, eles respondem a acionistas que não necessariamente abririam mão de lucros de curto prazo”, diz Arbache. Ele acha, no entanto, que é possível trazer os “russos” para o jogo.

Um jeito é a pressão dos consumidores. A Ikea, multinacional sueca de móveis e decoração, patrocinou um pedaço do pavilhão do The New York Times na COP para anunciar, entre outras coisas, que só comercializa móveis de madeira certificada – e que várias fábricas europeias ajustaram padrões para seguir em seu time de fornecedores. Outro jeito é a cobrança de impostos sobre atividades intensas em carbono. Quanto mais países criarem punições fiscais, maior o risco para os investidores – e adotar práticas sustentáveis pode ser a melhor maneira de minimizar os riscos.

O Acordo de Paris, cujo “livro de regras” foi finalmente concluído em Glasgow, baseia-se na contribuição individual de países – que deverá sofrer ajustes e cobranças nas próximas COPs. Na situação de emergência em que o planeta se encontra, no entanto, será necessária a contribuição de diferentes atores. Quanto mais poderosos os atores, maior a contribuição. As multinacionais estão neste caso. Precisamos não apenas combinar com os “russos”, mas também incentivá-los a entrar no jogo – e cobrar resultados. 

Para saber mais

Mini-podcast com Jorge Arbache 

Artigos de Jorge Arbache sobre economia verde:

https://valor.globo.com/opiniao/coluna/a-nova-fronteira-do-desenvolvimento.ghtml

https://valor.globo.com/opiniao/coluna/em-busca-do-tempo-perdido.ghtml

https://valor.globo.com/opiniao/coluna/a-politica-industrial-do-seculo-xxi-1.ghtml

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.