Ueslei Marcelino/Reuters
Ueslei Marcelino/Reuters

'Precisamos pacificar e ter mais tranquilidade no País', diz Temer

Em dia de depoimento de Lula a Moro, presidente afirma que é preciso também eliminar uma 'certa raivosidade'

Carla Araújo, O Estado de S.Paulo

10 de maio de 2017 | 17h29

BRASÍLIA - No dia em que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva prestará depoimento para o juiz Sergio Moro, sob um forte esquema de segurança, o presidente Michel Temer aproveitou uma cerimônia no Palácio do Planalto para dizer que "precisamos pacificar e ter mais tranquilidade no País".

"O País não pode ficar nesse embate de brasileiro contra brasileiro", disse. "É preciso eliminar uma certa raivosidade que muitas vezes permeia a consciência nacional. Precisamos ter paz e tranquilidade e saber que nada vai impedir que o Brasil continue a trabalhar", completou.

Temer disse ainda que acredita que os brasileiros estão começando a ficar otimistas em relação à economia e que ele tem "orgulho" por ver a desaceleração da inflação de 10,7% para 4,5% e que a redução indica que o índice ficará "bem abaixo" da meta no fim do ano. "Ainda que lentamente, mas vigorosamente a economia está dando sinais de crescimento. O País começa a respirar", disse.

Em seu discurso, o presidente destacou ainda a redução de juros e liberação das contas inativas do FGTS e disse que a liberação de verbas ajudou o varejo. "Não é sem razão que o varejo cresceu neste mês e pessoas atribuem à utilização das contas inativadas", afirmou, destacando ainda que a produção industrial teve o melhor trimestre e que a balança comercial vem registrando superávit.

O presidente disse ainda que o seu governo tem como força motriz a responsabilidade fiscal com a responsabilidade social e que juntas essas duas iniciativas têm como objetivo combater o desemprego. "Só tem sentido incentivar o capital com a ideia de que vamos gerar empregos", afirmou.

Ao destacar o programa de concessões do governo, o presidente disse ainda que os leilões de linhas de transmissão de energia foram muito bem-sucedidos e disse que eles podem significar a redução da tarifa de energia.

Congresso. Ao iniciar o discurso, Temer, como de costume, exaltou a participação do Congresso Nacional nas ações do governo e repetiu que uma das palavras-chave de sua gestão é o diálogo. "Nós fizemos o Congresso de partícipe do nosso governo. Hoje o Poder Legislativo governo conosco", afirmou.

O presidente repetiu ainda que seu governo tem coragem e ousadia para modernizar as áreas de administração e destacou que "no tópico da responsabilidade fiscal estamos cuidando de outras reformas".

Temer disse que a reforma trabalhista que passou pela Câmara, "certa e seguramente", será aprovada pelo Senado. Na terça-feira, 9, em reunião com senadores, para evitar que a proposta trabalhista seja alterada no Senado e tenha que retornar à Câmara, foi de iniciativa do próprio Temer propor, na reunião, a edição de uma Medida Provisória que altere os pontos de interesse dos senadores. Segundo o presidente, o texto não traz prejuízo nenhum para os trabalhadores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.