Pré-sal pode aprofundar dependência em matérias-primas e afetar ainda mais a indústria, diz FT

Para diário britânico, petróleo pode aprofundar dependência brasileira em relação às commodites.

BBC Brasil, BBC

16 de março de 2011 | 09h24

Exploração do pré-gás pode inundar Brasil com recursos fáceis, diz 'FT'

Uma reportagem do diário britânico "Financial Times" avalia nesta quarta-feira que a exploração do petróleo pré-sal pode aprofundar a dependência do país em relação às exportações e prejudicar ainda mais a indústria nacional.

Na reportagem, de página inteira, o jornal lembra que a extração de petróleo de camadas a mais de 2 mil quilômetros de profundidade tem o potencial de "lançar o país ao status de nação desenvolvida", mas também o de "transformar o país para bem ou para mal".

"O perigo para o Brasil, caso os recursos não sejam manejados de forma sábia, é o de se tornar uma vítima da 'doença holandesa'", diz o jornal, em referência à situação econômica da Holanda nos anos 1970, quando importantes descobertas de gás elevaram a taxa de câmbio e os preços de energia, golpeando a indústria.

"Pior, o Brasil poderia sofrer um tipo ainda mais grave de doença, a 'maldição do petróleo', na qual nações ricas em recursos naturais - como Nigéria e Venezuela - se tornam cada vez mais viciadas no dinheiro que eles provêem, o que leva à má governabilidade e a corrupção."

Dependência

Sem limitar sua análise ao campo petroleiro, o artigo recorda que analistas já consideram que o país está "nos estágios iniciais da doença holandesa".

"Exportadores e a indústria doméstica estão tendo dificuldade para competir globalmente, à medida que a demanda chinesa pelas commodities do país impulsiona o valor do real", relata o jornal.

O boom do preço das commodities criado e mantido pelo enorme volume de compras da China tem causado uma apreciação da moeda brasileira o que acaba por encarecer os preços dos produtos produzidos no Brasil.

O Brasil já é líder ou está entre os primeiros na produção e exportação de commodities como minério de ferro, carne, açúcar, café, suco de laranja e soja.

"O câmbio se apreciou cerca de 40% em relação à cotação que vigorava há dois anos."

Citado pelo jornal, o professor de Harvard Kenneth Rogoff, ex-economista-chefe do Fundo Monetário Internacional (FMI), opina que "a doença holandesa do Brasil vem de todo tipo de recursos naturais" e "o petróleo pode levar o problema a um novo patamar".

A reportagem lembra que, para tentar evitar a dependência, o governo e a Petrobras elevaram de 30% para 53% a proporção de conteúdo local para novos projetos - uma tentativa de usar a estatal como locomotiva para a manufatura brasileira.

Entretanto, o texto também aponta para as avaliações de que tal uso da Petrobras como motor do desenvolvimento pode acabar levando a uma "politização" da empresa.

Para o professor Rogoff, o caminho para o Brasil seria focar menos nos possíveis efeitos negativos da "doença holandesa" e mais em desenvolver áreas que garantirão desenvolvimento de longo prazo, como infra-estrutura e educação.

"Embora o Brasil tenha feito avanços em melhorar a educação, e sua infraestrutura seja melhor que a de outros mercados emergentes, como a Índia, o país ainda deixa a desejar em relação às economias desenvolvidas em ambas as áreas", afirma a reportagem.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.