Helvio Romero/AE
Helvio Romero/AE

Pré-candidatos tucanos em SP rechaçam desistir das prévias

Quatro postulantes à vaga para disputar a Prefeitura de São Paulo descartam acordo para fim da escolha interna em favor de uma possível candidatura do ex-governador José Serra

Fernando Gallo, de O Estado de S.Paulo

17 de fevereiro de 2012 | 14h15

SÃO PAULO - A movimentação em torno da eventual candidatura do ex-governador José Serra (PSDB) à Prefeitura de São Paulo, nessas eleições, uniu os quatro pré-candidatos tucanos num café da manhã, nesta sexta-feira, 17. No encontro, os quatro marcaram posição em defesa da realização das prévias partidárias, marcada para o dia 4 de março. Para eles, o processo de eleição interna que definirá o candidato da legenda neste pleito municipal é fato consumado.

 

"Não há a menor possibilidade de nós retroagirmos", disse o deputado federal Ricardo Trípoli, que disputa a vaga pela candidatura com os secretários de Energia, José Aníbal, do Meio Ambiente, Bruno Covas e da Cultura, Andrea Matarazzo. O parlamentar reiterou que não se pode abrir mão das prévias, "que são patrimônio da militância do PSDB". Garantiu não haver hipótese de abrir mão da candidatura, caso vença as prévias, para pré-candidatos que não estejam na disputa.

 

A mesma opinião é defendida por José Aníbal, que deixou o encontro mais cedo, mas vem se manifestando nesse sentido, desde que o nome de José Serra passou a constar do noticiário como provável candidato. "Querem nos fazer iguais aos outros? Querem calar a militância? Dar golpe contra as prévias? Não vão conseguir! Ontem [quinta-feira] a base do partido falou!", escreveu em seu perfil no Twitter, nesta manhã, em referência ao ato promovido por militantes contrários ao fim das prévias.

 

Andrea Matarazzo lembrou que o processo pelas prévia foi definido pelo governador Geraldo Alckmin. "Está estabelecido, com ata feita, convocação feita e data marcada", afirmou. Bruno Covas, por sua vez, disse que os pré-candidatos já estão, inclusive, discutindo as pontes para unificar as alianças, no dia 5 de março, em torno do vencedor. Para Covas, a tese de abrir mão da candidatura, após as prévias, "é absurda".

 

Matarazzo disse ainda que conversa regularmente com Serra e nunca ouviu dele a intenção de sair candidato nestas eleições. Oficialmente, Serra nega a intenção, mas nos últimos dias teria revisto a decisão devido às negociações entre o prefeito Gilberto Kassab (PSD) e o PT. Apesar de sinalizar apoio à canditura de Fernando Haddad, Kassab já afirmou que se aliaria ao PSDB, caso Serra disputasse as eleições.

Tudo o que sabemos sobre:
eleições 2012prévias tucanasserra

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.